Priorizar ao invés de procrastinar: eis a questão!

“Então, disse eu: quem me dera asas como de pomba! Voaria e acharia pouso. Eis que fugiria para longe e ficaria no deserto. Dar-me-ia pressa em abrigar-me do vendaval e da procela.” Sl. 55.6-8

À mão o celular entre os papéis da mesa de trabalho e o notebook para consultoria de emergência. Diplomas na parede com espaço para o outro… Ela liga o computador e o monitor mostra a web programada em louvores. No mais das vezes, o primeiro que preste para dividir a angústia da solidão, enquanto mergulha nas tarefas como que para afastar o maior problema: as ilusões do falso profetismo que procrastina a realidade.

Dia iniciando em seu apartamento de cobertura na Floresta e local de muitos estresses para a mulher que padece de desamor que jugula. Entre as demais rotinas cuidar do filho e ganhar dinheiro honesto. (Porque o já quase ex-marido, candidato a obreiro de sua igreja, foi convocado para mais uma aula de algo chamado “doutrina revelada” e saiu desde as 5h e não tem hora para voltar…)

Dedos espertos e gestos da mão dizendo: este empurra com a barriga… este é fácil… barriga neste outro, mulher… amanhã eu cuido deste… êpa! eu não faço isto… não me corrompo! Ela destaca formulários com gesto maquinal enquanto atende ao telefone e faz anotações.

Contabilidade empresarial e de comércio exterior, declaração de impostos e relatórios são pequenas e simples tarefas que podem acumular num final de ano. Mas os procrastinadores acostumados a deixar tudo para o último dia dão trabalho… muito trabalho. Nada que represente dificuldades maiores… para quem é hábil.

Céus de dias de sol e noites enluaradas. Criada nos moldes cristãos, ela é detentora de disposição inata de fazer o bem sem olhar a quem. E num piscar de olhos, ao longe a pista de pouso de Pampulha (que ela sabe foi construído na década de trinta). Ela para e observa a aeronave em seu arremesso ao céu de brigadeiro. Então, cantarola, do Chico Buarque:

“A gente vai contra a corrente
Até não poder resistir
Na volta do barco é que sente
O quanto deixou de cumprir.”

Mas o número trinta… O ar de angústia em seu rosto não me passou despercebido ao vê-la balbuciar: “quem de dera ter asas como pomba.”

De repente a cortina se abriu e eu passei a ver além da competente profissional em sua mesa de trabalho. Era como algo comprometedor para a felicidade de qualquer pessoa: a montanha de papéis a emoldurar-lhe o ar de espanto e quase pânico. O que é isto?! Papéis por trás da mesa… montanha deles… sim! e estiquei a atenção para entender…

Sério! De tudo para esta mulher de trinta anos: comentários em algum blog que ela esboçou na mente mas não escreveu; descarte de email’s daquele devedor sem moral mas não excluiu; desejos da noite de amor e o medo de novamente perceber a rejeição; desestruturação familiar e distância forçada de alguns membros da família do obreiro religioso (ou já quase ex-marido); o complexo de inferioridade como o fantasma de algo que ela não consegue enxergar mas está em seus sonhos; o medo de ser obrigada a abandonar o casamento e fugir da cidade; os planos de passeio com o marido (ou já quase ex-marido) que não vingaram; os sonhos com o progresso na pós-graduação iniciada na UFMG e mais um deixa pra lá que não dá tempo…

Karen, às vezes, faz o tipo perfeccionista sobre detalhes mínimos que ninguém consegue enxergar. No mais, o fantasma da procrastinação… Sempre! Talvez, a razão de nunca terminar certas tarefas seja o medo do sucesso.

Pra quê sucesso profissional se ela não pode compartilhar com o marido (o icemita já quase ex-marido) enquanto preso à mentalidade religiosa que cada vez mais afasta um do outro, priva a intimidade do casal, e não lhes permite romancear e viver. Pela ideologia de Obra ele decidiu-se e dentro da mentalidade de Obra se comporta. Pelo contrário, ela anda em busca do maior dos encantos: o amor; mas o maridobreiro a despreza e foge dela depois do ato conjugal, como se cuspisse em seu rosto.

Que desprezo! Que despropósito esperar o amanhecer e conviver com aparências de vai-tudo-bem-obrigada e amargar a procrastinação da separação. Que estupidez perder os sonhos e o tesouro por causa da estupidez do orgulho religioso.

Karen às vezes se refugia em si mesma com desejo de dormir… dormir e não acordar… Desejo enorme e incompreensível. Desejo de morrer. (Certa vez esteve no beiral da sacada e chegou a olhar lá para baixo mas deu-se conta do instinto materno.) Desperta, recompõe-se e cuida de uma ou outra tarefa caseira e do filho, ainda adolescente. Depois, conversa com amigas no messenger… mas à distância, como que escondendo medos e disfarçando o seu sofrimento. Isso acaba gerando desgaste maior. Por mais quanto tempo? Quer gritar mas não consegue…

O dia passa e a noite vem com a montanha de papéis. O sentimento de culpa aumenta e ela sente culpa não pelo que fez, mas pelo que deixou de fazer. Os sonhos… estes deixarão extravasar o inconsciente perturbador, porque sonhos mal interpretados são recorrentes e seus novos disfarces…

Sentada em sua cama ela abre o notebook na pasta de seu aniversário… dez meses se passaram… e então descarta alguns nomes do messenger. Finalmente! Quanto tempo! Que amigos de alma e de coração se grudam em afeição de comprometimento, desinteressada, sincera é verdade… mas são pouquíssimos e valem a pena mantê-los. Recolheu-se e dormiu profundamente…

Mergulho nesses lances do sofrimento de Karen, porquanto em seu e-mail ela me pergunta o que fazer (e me autorizou a dar resposta no Blog desde que usasse um nome fictício… para proteção do marido).

O pior acontece ao criarmos o hábito da avestruz que enfia a cabeça na areia. Por isso não posso procrastinar o fecho deste artigo, porque adiar compromissos traz alívio apenas temporário.

Que procrastinação é ato ou efeito de procrastinar, de deixar para depois, nós sabemos; mas procrastinação não pode ser padrão de vida para ninguém, muito menos o meu e o seu. Portanto, sair de cima do muro é imperioso.

Quais são as coisas reais que temos entregado nos últimos tempos? Será que somos procrastinados e não reconhecemos o sofrimento?

Quando será que daremos o extra de nós mesmos? Será melhor pensar que, sabotando-nos a nós mesmos, apenas evitamos a exposição ao ridículo? Será melhor procrastinarmo-nos, a nós mesmos, da felicidade conjugal, e emocional, e espiritual, e profissional que enriquecem; isto ao preço do falso profetismo que arrancou a meia parte da Karen (ou já quase ex-marido) para dele fazer o obreiro casado com a Obra e sem remuneração? Será que a autoridade eclesiástica tem direito de intervir no casamento pretendendo realçar a esquizofrenia religiosa mais que a família feliz?

Descanse, Karen. Durma bem. Não estou dizendo que não possamos ou não devamos descansar depois de um dia de trabalho mas temos muitas coisas para realizar na vida. O estresse exacerba quando fazemos da procrastinação a rotina (e falando nisto preciso dar uma geral na minha mesa e em alguns “papéis”).

O pior problema é que o falso profetismo procrastina por criar ilusões religiosas; mas nós, meros seres mortais, não gozamos o direito de nos dissociarmos da realidade. Priorizar ao invés de procrastinar: eis questão! Quando a religião interfere no casamento de modo a atentar contra o casamento e discriminar a mulher a ponto de provocar a separação, desagravar é necessário.

Se irresponsável quanto aos deveres conjugais o candidato a obreiro (e quase ex-marido) descarta o seu amor por Karen e declara-se estar casado com a seita religiosa, ele não passa de adúltero e procrastinador.

Se passarmos parte da vida procrastinando, quando nos dermos conta já passou muito tempo sem ação.

Você não tem o direito de fugir e procrastinar-se: DECIDA-SE!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

11 Respostas para “Priorizar ao invés de procrastinar: eis a questão!”

  1. Keyla disse:

    Postergar nossas prioritárias decisões, torna-se um acumulo de muitas outras.

    Vou procrastinar meu comentário aqui .srsrs

    Amado, sinto-me profundamente tocada, por seu artigo…..

    Sem palavras, porém, em reflexão deixo o meu abraço….

    Avante!

  2. Luis U. disse:

    Excelente reflexão, CV!

    Verdadeiramente não gozamos o direito de nos dissociarmos da realidade.
    Este é o verdadeiro culto. Viver.

    Paz!

  3. Abbapai disse:

    O interessante é que esse factível texto não me causa
    estranheza nenhuma. Será porquê hein?
    .
    Quantas noites de amor perdidas, dias de lazer, comunhão
    e companheirismo com aquela que Deus me deu.
    .
    Maldita religião que rouba de nós até aquilo que DEUS
    instituiu antes da “igreja”: A FAMÍLIA. Falo por mim mesmo.

    Não procrastine mais querido(a)e viva uma vida
    plena em Jesus. O nosso tempo é muito curto para viver
    procrastinando em nome da religião. Chega de JUGOS.

    SEJA LIVRE!

  4. Lucas Rocha disse:

    Prezado Cavaleiro Veloz,

    Muito também me foi roubado pela obediência cega a um sistema religioso contraditório. Pelo menos acordamos a tempo do sono de q vivíamos num perfeccionismo religioso, que na verdade nos trouxe traumas, conflitos e a perda da convivência dos nossos amados, que não entendiam nossa alienação.
    Que o Senhor te abençoe,
    Lucas Rocha

  5. ARosa disse:

    Prezado irmão CV

    O texto realmente tocou profundamente.
    É uma lição pra nós que ainda estamos no início da jornada conjugal.

    Obrigada por deixar que o Santo Espírito de Deus te guie e te use.

    Paz em Cristo. ARosa

  6. GRAÇAS SOUZA disse:

    Tudo que nós toca…nós pertece. Que este artigo seja agente tranformador
    dor…para todos que  procrastinam a única razão de viver…AMAR E SER
    AMADA!

  7. david disse:

    muito bom, vou mostrar isso para minha esposa q esta na ceita

  8. Cristina marcia disse:

    Durante quase vinte anos vivi tambem alienada,quase perdi meu casamento.
    Louvo a Deus pelo livramento, mas as vezes fico triste pensando..quanto tempo perdi meu Deus!!!
    Que deus tenha misericordia daqueles que ainda estão lá….
    Deus o abençoe

  9. Cavaleiro Veloz disse:

    Quanto às esposas dos obreiros e aos desejos íntimos que provocam (e é bom e natural que assim seja), isto é detalhe, apenas detalhe.
    Detalhe secundário a que os sacrificados valentes da Obra não devem prestar atenção.
    Enquanto dizem os mantras de olhos fechados e cegamente obedecem, não interessa ao servo da Obra se, de cego, não mais percebe que o seu casamento já foi para o brejo.

  10. Francisco Silveira disse:

    Dissociados da realidade.

    Isto sim! A imposição dos medos e dos mitos faz de cada icemita-marido-obreiro algo cvomo um boneco da Obra, um zumbi.

    boneco da Obra não ama a esposa e não tem tempo para ela porque a Obra vem em primeiro lugar. O resto (a esposa inclusive) é sobra….

    Essa doutrina do GG arraja com o amor conjugal e as famílias ficam num suspense…

    Fujam!

    Tô fora…
    .
    .
    É isso mesmo

    Boneco da Obra aqui não tem vez.
    http://www.youtube.com/watch?v=xmasj-nf-Xk

    CV

  11. […] Outra árvore para cada uma das esposas dos pastores da ICM-Obra que padecem de rejeição de seus conjuges. Explico: mais forte que atender desejos íntimos e naturais de esposas, a paranóia do chefe muito religioso repercute na mente deles:
    almoçamos a Obra, jantamos a Obra, dormimos a Obra, madrugamos a Obra, acordamos a Obra, trabalhamos… Mas a Obra é filho único. É aquilo que nós temos todos os dias de nossas vidas, enquanto nós vivermos. […]

Deixe o seu comentário

Resolva a seguinte pergunta para envio * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.