Percebendo o Mal e conseguindo a Vitória

  A intenção dos inimigos de seu povo espalhava a notícia da hora da covardia, dissimulação de intenções, expropriação de bens, matança e zombaria. A ordem era para ser cumprida e sem direito de defesa. Matança! Nada de piedade!

Certa mulher de berço discriminado e humilde, judia de nascimento, chamada Hadassa (Murta), com a graça e misericórdia de Deus fortaleceu-se para promover um grande livramento da população.

Chegando à posição de esposa de Assuero (nome hebraico de Xerxes, o rei da Pérsia que reinou de 485-465 a.C.), Hadassa aparece como Ester (Estrela). Desde o momento em que a armação diabólica para destruição dos judeus chegou ao seu conhecimento, assim como o sol nasce e resplandece, Ester levantou-se contra Hamã…

Conforme suas forças Ester exerceu fé em seu Deus, comprometendo-se a favor de seu povo, pois o seu coração estava abrasado. “Pois como poderei ver o mal que sobrevirá ao meu povo? E como poderei ver a destruição da minha parentela?” Ficou gravado!

Como foi predita por homens que nos falaram movidos pelo Espírito de Cristo Jesus, a apostasia avança. A passos largos! Heresias destruidoras, presunções do saber humano e vãs sutilezas dos obreiros portadores da falsa-unção e pseudocarismáticos entre eles: apóstolos, cabalistas, donos de igrejas, hereges, mestres novaerinos, obreiros fraudulentos, papistas, pastores insensatos e outros, se espalham qual erva daninha ou praga de gafanhotos. Devastação!Divisão de igrejas!

Diversas comunidades cristãs estão rejeitando os alicerces em que foram estabelecidas para adoração ao Altíssimo Deus, o Deus-que-vive-por-Si-mesmo. Apóstatas, dissimuladores, dominadores do rebanho de Deus, heréticos e mercenários cuidam de seus próprios interesses. Não se importam com o isento e “justo juízo de Deus” (gr. δικαιοκρισιας του θεου – Rm. 2.5 – TR) que cairá sobre os adoradores do Anticristo nos dias ainda futuros da “grande [tamanha] tribulação” (Mc. 13.19; Mt. 24.21). Imprescindível!

Eles são hábeis em torcer as Escrituras a seu jeito e dizem: “Quem nos verá?” Porém este juízo está descrito em ordem e com muitos pormenores no Apocalipse de Jesus Cristo (selos, trombetas e taças); e, tão certo como o Espírito de Cristo Jesus revelou o propósito de Deus para a consumação de todas as coisas, esse juízo virá sobre os moradores da terra.

Minha convicção é que a hora está avançada. Bem avançada! A  intervenção isenta, justa, legal e plenipotente do Altíssimo Deus, o Deus-que-vive-por-Si-mesmo, está certa e determinada. Escatologica, imperiosa e rreversivel! Aquele que ainda tem ouvidos para ouvir e quer poupar sua alma da condenação e desespero futuros, deve arrancar falsas doutrinas, falsas profecias e falsas visões de seu coração e dar constante crédito às Escrituras. Imediatamente!

Na maioria das vezes em que Deus, o SENHOR Todo-Poderoso, o “Soberano dos reis da terra” (Ap. 1.5), derramou Sua ira, Ele o fez através de homens e nações como instrumentos de justiça para cumprir Sua vontade. Nestes contornos, o dia da destruição já está marcado. O profeta Ezequiel exclama (7.25): “Vem a destruição; eles buscarão paz, mas não há nenhuma.”

O Espírito Vivificante de Cristo Jesus haverá de convencer da grande importância do crente em Cristo andar em dignidade enquanto aguarda o inesperado momento em que a “bendita esperança” dos crentes em Cristo Jesus (Tt. 2.13-14) se concretizará “num abrir e fechar de olhos” (1 Co 15.52). Este assunto deve ser alvo de ajuizado e constante ensino aos que estão sendo (1 Co. 1.2) “santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso”.

O incremento da apostasia do cristianismo paganizado e do judaísmo ocultista; da corrupção nos governos; da idolatria incentivada pelo catolicismo papista; da imoralidade, iniquidade e ferocidade humana em todas as suas formas; da espiritualidade ocultista em todas as suas manifestações de paranormalidade e dos piores vícios entre os moradores da terra, são fatos exibidos no dia-a-dia pelos meios de comunicação social.

Os cabalistas, eclesiásticos, maçonoverinos, ocultistas, papistas e outros céticos-de-plantão continuam ignorando que o Altíssimo Deus, o Deus-que-vive-por-Si-mesmo e vem antes de Sua Palavra, continua firme na ação inexprimível e misteriosa de remover o poder de restrição (2 Ts. 2.7-10) que o Espírito Eterno ainda exerce contra a iniquidade dos homens (2 Ts. 1.8 cf. 2.11-12; 1 Tm. 4.1b. – ênfase adicionada):

“que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus  (…)  É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito [exercerem fé] à mentira, a fim de serem julgados todos quantos não deram crédito [não exerceram fé] à verdade; antes, pelo contrário, deleitaram-se com a injustiça. (…) por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios.”

 Os homens educados, honestos e sinceros, por não compreenderem a razão de o Mal avançar entre os moradores da terra, entram em desespero. Desespero é o mal de que estamos sofrendo. De fato, o Mal avança a ponto de exigir a aparentemente demorada intervenção divina.

Ora, a ação de arrebatar  a “igreja de Deus… corpo de Cristo”  (1 Co. 1.2; 12.27) depende exclusivamente de DECISÃO MESSIÂNICA. A Escritura Profética declara que este ato é iminente, indivisível, instantâneo, messiânico, misterioso e pré-tribulacional para a “Casa de Deus que é a igreja do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade” (1 Tm. 2.15). Não haverá aviso prévio (1). No contexto da Escritura o arrebatamento não é para “os demais que não têm esperança.” (1 Ts. 4.13). Por oportuno, esta poderosa profecia não deixa de expressar juízo contra a cristandade apóstata e o judaísmo obtuso; pelo que, ao escrever aos cristãos que estavam dispersos por motivo das perseguições romanas o apóstolo Pedro ratifica o ensino do apóstolo Paulo (1 Pe. 4.17):

“Porque a ocasião de começar o juízo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro vem por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus?”

Portanto, doutrina revelada, emoções de espiritualidade fingida, heresias institucionalizadas e herança de sutilezas das tradições e vaidades dos homens, não se prestam para servir de guia de respostas à perguntas sinceras. Reitero que a questão de fundo é de autoridade e soberania. Se existe algo a fazer é exercer fé no ensino que o Espírito de Cristo Jesus declara, eis que a Infalível a Palavra de Deus, o SENHOR Todo-Poderoso, o “Soberano dos reis da terra”. Como diz o SENHOR (Is. 40. 3-8):

“Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do SENHOR; endireitai no ermo vereda a nosso Deus. Todo vale será aterrado, e nivelados, todos os montes e outeiros; o que é tortuoso será retificado, e os lugares escabrosos, aplanados. A glória do SENHOR se manifestará, e toda a carne a verá, pois a boca do SENHOR o disse. Uma voz diz: Clama; e alguém pergunta: Que hei de clamar? Toda a carne é erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e caem as flores, soprando nelas o hálito do SENHOR. Na verdade, o povo é erva; seca-se a erva, e cai a sua flor, mas a palavra de nosso Deus permanece eternamente.”

Rejeição ao amoroso convite divino ao arrependimento dos delitos e pecados gera a morte eterna. Esta é a Lei e os Profetas. Os cristãos que servem a Deus “em espírito e em verdade” (Jo. 4.23-24), compreendem a ação de Deus no curso da História e os livramentos necessários ao povo de Deus.

 Conclusão

Este artigo gera MUDANÇAS…

Ester comprometeu-se, conforme suas forças, em livrar o seu povo das mãos de quem era mais forte que eles. Ela conseguiu livrá-los da matança orquestrada pelo mau Hamã.

Ficou gravado nos nossos ouvidos (Et. 8.6): “Pois como poderei ver o mal que sobrevirá ao meu povo? E como poderei ver a destruição da minha parentela?”

Muitos estão com medo dos Hamãs das igrejas, costumeiramente cercados de conselheiros e de falsos profetas. Doentes de esquizofrenia religiosa exibem o caráter conspirador e interesseiro dos politiqueiros. Esses Hamãs agem como donos de rebanho, constroem prisões religiosas, mostram-se ardilosos, autodefensivos, avarentos e dissimuladores. Instrumentos de manobras malignas, oportunistas e traiçoeiras.

Muitos estão presos em doutrina revelada, construída com o olhar caolho de um falso mestre que detém o poder religioso nunca transparente. Medrosos facilmente intimidam-se com as armações e calúnias palacianas, especialmente as maldições do tipo: vai ser comido de bicho. Entorpecidos com a enganação, não acordam e nem percebem a luz que existe fora das cadeias e prisões desses Hamãs sectários. O poder camaleônico  existe, causa pânico e instiga o ódio religioso.

Neste contexto, o meu desejo é ajudar na compreensão do Mal que se aproxima e motivar os leitores ocasionais e os seguidores deste SITE para que livrem, desses Hamãs,  a todos quantos possam.

O ministério de servir em amor aos irmãos começa quando alguém compreende que a vida do povo do Deus é mais importante que a sua própria vida.

Pense! Na comunidade ou denominação eclesiástica onde você é membro existe algum Hamã? No caso da Maranata, o Hamã da unidade local altera relatórios, ameaça os crentes, compra e não paga, esconde dízimos, maltrata e persegue os humildes e bajula os grandes? O Hamã desta igreja entrega falsas profecias e falsas revelações e ninguém reage? O que será de seus filhos? Por acaso, nesta congregação de crentes não resta um pouco de coragem em alguém? Permitiram que o mal domine e o Hamã conduza as ovelhas para o matadouro?

Se em seu coração arde o desejo intenso de livramento do povo, como aconteceu no coração de Ester, então, apresente-se ao SENHOR e diga: estou pronto, SENHOR, para assumir desafios a favor do povo de Deus. Porquanto está escrito (Is. 60.1-2):

“Dispõe-te, resplandece, porque vem a tua luz,

e a glória do SENHOR nasce sobre ti.

Porque eis que as trevas cobrem a terra,

e a escuridão, os povos;

mas sobre ti aparece resplendente o SENHOR,

e a sua glória se vê sobre ti.”


NOTAS

Artigo atualizado em 21.05.2011

(1) – Stanley M. Horton – Teologia Sistemática – Uma Perspectiva Pentecostal – As Últimas Coisas, CPAD, 2a. Ed., 1997, p. 613 – “Noutras palavras: não haverá aviso prévio no último momento, e nenhuma oportunidade de ficar pronto em tão curto prazo. A mesma verdade é ressaltada na Parábola das Dez Virgens (Mt. 25.1-13). Tudo isto faz-nos lembrar que, a despeito da demora, devemos sempre considerar iminente a volta de Cristo.”

Acompanhe em https://www.facebook.com/CavaleiroVeloz

Aqui não é lugar para calúnias e difamações. Discutimos doutrinas e ideias.

Direitos autorais resguardados. Caso faça cópia ou transcrição mencione o link deste artigo http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/05/percebendo-o-mal-e-conseguindo-a-vitoria/ Em nome da ética democrática, que a data original e origem da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

Escrever em CAIXA ALTA (letras maiúsculas) é deselegante. Evitem.

Evitem postagens fora do FOCO do artigo.

Imagens colocadas nos artigos como ilustração foram retiradas da Internet (Google) e também dos textos aqui postados, presumindo serem de domínio público. No caso que haja alguma imagem sem os créditos devidos não foi intencional; e, deste modo agradeceria em nos avisar que colocaremos os créditos.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

6 Respostas para “Percebendo o Mal e conseguindo a Vitória”

  1. Rafael disse:

    Olá cavaleiro,
    Neste texto você cita os novaeristas, você saberia me dizer se existem maçons na liderança da ICM, ou seja, exercendo o ministério?
    Paz!
    .
    É possível.

    Fariseus não nutrem compromisso com o “evangelho da graça de Deus” (At. 20.24) porque obedecem ao “deus deste século”. Como está escrito, Satanás “cegou os entendimentos dos incrédulos para que não lhes resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.” (2 Co. 4.4)

    CV.

  2. Cavaleiro Veloz disse:

    Ref.: postagem de 04.05.2011

    Olá, Rafael, graça e paz em Cristo Jesus

    Maçons existem por todo lado. Nas igrejas chamadas tradicionais (batistas, metodistas, presbiterianas, por exemplo) até Ministros do Evangelho foram enganados com esta religião (Note: a Maçonaria é uma religião).

    Não sei informar se na liderança da ICM-PES existem maçons. Quem sabe?

    No Site http://www.espada.eti.br/index.htm aparece excelente material a respeito da Maçonaria.

    CV.

  3. Alandi disse:

    CADA UM RECEBE A RECOMPENSA QUE MERECE!

    Gostaria de dar uma palavra aos retirantes.

    Começo citando um versículo bíblico:

    ”Contaste os meus passos quando sofri perseguições; recolheste as minhas lágrimas no teu odre: não estão elas inscritas no teu livro?”

    Salmos 56:8

    O Senhor sempre se preocupou com sua caminhada, retirante, mesmo quando estava sendo perseguido, discriminado, caluniado.

    Quando derramaste tuas lágrimas, o Senhor recolheu, não deixando cair por terra, pois, amado irmão e amada irmã, o Senhor sabe tudo o que você passou na seita, e está escrito no livro do Senhor.

    Mas um dia o Senhor disse “BASTA”, e resolveu te libertar das garras do gedeltismo.

    O Senhor te tirou da escravidão!

    Hoje, o irmão e a irmã podem chorar de alegria, pois estão livres para adorar ao Senhor, e somente a Ele.

    Podem falar Glória a DEUS, pois o Senhor sempre estava cuidando de ti.

    Que DEUS nos Abençoe!

    Um Abraço Fraternal!

    Pr. Eduardo Gil Vasconcellos.

    COMENTÁRIO DIGA NÃO ÀSEITA:

    O pastor me fez lembrar de um texto magnífico da Palavra, que se encontra no Livro de Ester:

    “Depois destas coisas o rei Assuero engrandeceu a Hamã, filho de Hamedata, agagita, e o exaltou, e pôs o seu assento acima de todos os príncipes que estavam com ele.”.

    Ester 3:1

    Hamã, o agagita, adversário dos judeus, havia sido exaltado no reinado do Rei Assuero, esposo de Ester (a rainha). Este sujeito fazia o que queria, manipulando as pessoas, e destilava a sua maldade, e não suportava Mardoqueu, o servo do Senhor, que servia no palácio e era primo da rainha Ester. Vejamos mais um trecho do livro citado:

    “Então saiu Hamã naquele dia alegre e de bom ânimo; porém, vendo Mardoqueu à porta do rei, e que ele não se levantara nem se movera diante dele, então Hamã se encheu de furor contra Mardoqueu.
    Hamã, porém, se refreou, e foi para sua casa; e enviou, e mandou vir os seus amigos, e Zeres, sua mulher.
    E contou-lhes Hamã a glória das suas riquezas, a multidão de seus filhos, e tudo em que o rei o tinha engrandecido, e como o tinha exaltado sobre os príncipes e servos do rei.
    Disse mais Hamã: Tampouco a rainha Ester a ninguém fez vir com o rei ao banquete que tinha preparado, senão a mim; e também para amanhã estou convidado por ela juntamente com o rei.
    Porém tudo isto não me satisfaz, enquanto eu vir o judeu Mardoqueu assentado à porta do rei.
    Então lhe disseram Zeres, sua mulher, e todos os seus amigos: Faça-se uma forca de cinqüenta côvados de altura, e amanhã dize ao rei que nela seja enforcado Mardoqueu; e então entra alegre com o rei ao banquete. E este conselho bem pareceu a Hamã, que mandou fazer a forca.”

    Ester 5:9-14

    Percebam que Hamã ficava furioso com a postura de Mardoqueu de não se curvar diante dele, assim como os outros faziam. Mas um belo dia, Mardoqueu foi lembrado pelos seus feitos, pelo próprio rei, de uma forma que humanamente seria impossível:

    “Naquela mesma noite, fugiu o sono do rei; então, mandou trazer o livro das memórias das crônicas, e se leram diante do rei.
    E achou-se escrito que Mardoqueu tinha dado notícia de Bigtã e de Teres, dois eunucos do rei, dos da guarda da porta, de que procuraram pôr as mãos sobre o rei Assuero.
    Então, disse o rei: Que honra e galardão se deu por isso a Mardoqueu? E os jovens do rei, seus servos, disseram: Coisa nenhuma se lhe fez.
    Então, disse o rei: Quem está no pátio? E Hamã tinha entrado no pátio exterior do rei, para dizer ao rei que enforcassem a Mardoqueu na forca que lhe tinha preparado.
    E os jovens do rei lhe disseram: Eis que Hamã está no pátio. E disse o rei que entrasse.
    E, entrando Hamã, o rei lhe disse: Que se fará ao homem de cuja honra o rei se agrada? Então, Hamã disse no seu coração: De quem se agradará o rei para lhe fazer honra mais do que a mim?
    Pelo que disse Hamã ao rei: Quanto ao homem de cuja honra o rei se agrada,
    traga a veste real de que o rei se costuma vestir, monte também o cavalo em que o rei costuma andar montado, e ponha-se-lhe a coroa real na sua cabeça;
    e entregue-se a veste e o cavalo à mão de um dos príncipes do rei, dos maiores senhores, e vistam dele aquele homem de cuja honra se agrada; e levem-no a cavalo pelas ruas da cidade, e apregoe-se diante dele: Assim se fará ao homem de cuja honra o rei se agrada!
    Então, disse o rei a Hamã: Apressa-te, toma a veste e o cavalo, como disseste, e faze assim para com o judeu Mardoqueu, que está assentado à porta do rei; e coisa nenhuma deixes cair de tudo quanto disseste.
    E Hamã tomou a veste e o cavalo, e vestiu a Mardoqueu, e o levou a cavalo pelas ruas da cidade, e apregoou diante dele: Assim se fará ao homem de cuja honra o rei se agrada!”.

    Ester 6:1-11

    Mardoqueu, sendo fiel ao rei, impediu que dois eunucos, Bigtã e Teres, intentassem contra a vida do rei, e isso ficou registrado nos anais do palácio! A Bíblia diz que o rei perdeu o sono e solicitou o livro de memórias das crônicas e tomou conhecimento desse ato praticado por Mardoqueu, e como que espantado pela ausência de notoriedade daquele fato, mandou chamar a Hamã, o desafeto de Mardoqueu, e esse mesmo que não queria ver o servo do Senhor nem pintado, teve que fazer as honras a ele, exatamente com tudo que ele queria para si mesmo! Louvado Seja o nome do Senhor!

    Os versos que seguem mostram tamanho o desespero que acometia Hamã por ter que passar por aquele constrangimento:

    “Depois disso, Mardoqueu voltou para a porta do rei; porém Hamã se retirou correndo a sua casa, angustiado e coberta a cabeça.
    E contou Hamã a Zeres, sua mulher, e a todos os seus amigos tudo quanto lhe tinha sucedido. Então, os seus sábios e Zeres, sua mulher, lhe disseram: Se Mardoqueu, diante de quem já começaste a cair, é da semente dos judeus, não prevalecerás contra ele; antes, certamente cairás perante ele.
    Estando eles ainda falando com ele, chegaram os eunucos do rei e se apressaram a levar Hamã ao banquete que Ester preparara.”.

    Ester 6:12-14

    Meus queridos, quanto riram de nós, servos do Senhor, por trás, gedeusti e seus asseclas!

    Vivendo alegres, leves e soltos, usufruindo das “gorduras” das ovelhas! Como falsários, sendo exaltados com o crescimento da seita durante todo esse período quadragenário.

    Mas, graças a Deus, muitos “mardoqueus” não se curvaram à autoridade falsa de Hamã! Resolveram se manter fieis aos seus princípios cristãos, adorando somente ao Senhor! Vivendo com honestidade e zelando pela dignidade de suas vidas. Esses mesmos que foram usados para que muitos fossem alcançados para Jesus e não para uma denominação!

    Tudo ficou registrado nos anais da Eternidade! Ó Glórias!

    O belo dia chegou e também é chegada a hora de Jesus evidenciar aqueles que realmente zelaram pelo Evangelho Pleno de Cristo, embora vivessem conduzidos por caminhos do engano, antes errantes, agora no rumo certo!

    O que esses falsários queriam para seus deleites e honras virá, “COM TUDO QUE TEM DIREITO”, aos “mardoqueus”, irmãos e irmãs que lutaram com seriedade pela verdade, e não curvaram as suas cabeças para o sistema “obra”, adotado por gedelspapa! Pessoas que não se venderam por nada que é desta vida!

    O alerta ainda fica, pois a história de Ester relata dois polos: Hamã (o mal) X Mardoqueu (o bem). De que lado você está? Você é subserviente ao que esses meias-solas te orientam em fazer? Então, não será tomado por inocente. O juízo virá!

    E sabe qual é o juízo? O mesmo que você, meia-sola, deseja para o teu algoz: A FORCA!

    Veja o que aconteceu com Hamã, se não foi exatamente isso:

    “Então disse Harbona, um dos camareiros que serviam diante do rei: Eis que também a forca de cinqüenta côvados de altura que Hamã fizera para Mardoqueu, que falara em defesa do rei, está junto à casa de Hamã. Então disse o rei: Enforcai-o nela.

    Enforcaram, pois, a Hamã na forca, que ele tinha preparado para Mardoqueu. Então o furor do rei se aplacou.”

    Ester 7:9-10

    Perceberam o detalhe: Hamã foi executado exatamente na forca que havia preparado para Mardoqueu, perto da sua casa! Quem acha que isso é brincadeira, continue!

    Acham que acabou por aí?

    Vejam:

    “Então disse o rei que assim se fizesse; e publicou-se um edito em Susã, e enforcaram os dez filhos de Hamã.”.

    Ester 9:14

    O assunto é muito sério! Nem os filhos de Hamã foram poupados da forca!

    Brincar com um servo do Senhor, levando-o ao engano é mexer com os brios do Senhor! Quem proceder dessa forma, tenha como certo, que receberá o seu “pagamento”, e ironicamente, o juízo poderá vir exatamente com a mesma intensidade do mal que é desejado ao servo, em forma de maldições; enquanto o bem virá para aquele que é perseguido, de igual magnitude que desejaria para si mesmo! Essa inversão maravilhosa e justa fica ao encargo de Deus! Por isso, é muito maior do que qualquer sentimento de vingança, que possa emanar do homem! Ele é justo e fiel!

    Cada um recebe a recompensa que merece!

    Quem garante isso é a Palavra de Deus!

    Pensem nisso!

    A Paz do Senhor Jesus!

    Alandati.

    Publicado em http://diganaoaseita.wordpress.com/2012/10/09/cada-um-recebe-a-recompensa-que-merece/

  4. Anonymously disse:

    Enviado em 11/12/2012 as 0:36

    Minha resposta a pregação Gedelti sobre Esther (no seminario) —>

    Mordecai Impede um assassinato
    Ester 2:21-23
    “21 Naqueles dias, estando Mardoqueu sentado ã porta do rei, dois eunucos do rei, os guardas da porta, Bigtã e Teres, se indignaram e procuravam tirar a vida ao rei Assuero.
    22 E veio isto ao conhecimento de Mardoqueu, que revelou ã rainha Ester; e Ester o disse ao rei em nome de Mardoqueu.
    23 Quando se investigou o negócio e se achou ser verdade, ambos foram enforcados; e isso foi escrito no livro das crônicas perante o rei. ”

    Introdução-O livro de Ester ocorre muitos anos depois da nação de Israel ter sido levada para o cativeiro babilônico (como resultado de sua infidelidade a Deus). Mesmo assim, este exílio seria apenas por um tempo (70 anos). Durante este tempo, os captores de Israel, os babilônios, já haviam sido tomados pelos medos e persas. No meio de todo esse tumulto e mudança, Deus preserva a vida de seu povo. Este evento que lemos hoje diz respeito à preservação da vida de Deus através da fidelidade daqueles guiados por Ele.

    Mardoqueu – Neste caso, um homem fiel chamado Mardoqueu, foi fundamental para isso. Ele também era um parente de sangue da rainha Ester (ambos eram de Israel). Aqui no império persa, ambos trabalharam em conjunto para evitar o genocídio dos israelitas, mais tarde, pela mão de Hamã. Mardoqueu neste livro é símbolo do Espírito Santo, enquanto Ester simboliza a igreja. Eles trabalham juntos para preservar a vida na idade atual.

    “6:2 E achou-se escrito que Mardoqueu tinha denunciado Bigtã e Teres, dois dos eunucos do rei, guardas da porta, que tinham procurado tirar a vida ao rei Assuero.

    Esses dois homens eram dois funcionários (literalmente “eunucos”) no reino que estavam próximos ao rei, e com algum grau de autoridade. Porque eram eunucos que já não eram capazes de produzir os seus próprios filhos, assim, em teoria, tornando-os menos propensos a quererem derrubá-lo, e era seguro os manter em torno das mulheres dos reis. Espiritualmente falando um eunuco poderia simbolizar cristãos que são fieis ao seu Senhor dos senhores e Rei dos Reis. Como cristãos, não devemos colocar a nossa esperança e ambições nesta vida – porque sabemos que estamos aqui apenas por um curto período de tempo. O nosso reino e tesouro é eterno, e não terreno. Ansiamos nascer de Deus e não da ancestralidade humana.

    Neste caso, estes dois eunucos infiéis como outras pessoas infiéis nesta história (como Hamã e Vasti) buscaram seus próprios interesses. Todos estes não eram leais ao rei. Na igreja de hoje há pessoas igualmente infiéis, que não são pessoas espirituais. Nem sempre é fácil identificá-los – mas Deus conhece o coração.

    BIGTÃ – O nome deste eunuco infiel fala de alguém que está “em seu lagar”. O lagar é onde as uvas (o fruto da videira, a vinha) são colocadas para serem trituradas (cujo suco é usado para fazer o vinho). Símbolos das coisas relacionadas a Jesus e à Igreja. Jesus é a Videira. Nós somos os ramos, que estão a produzir bons frutos. Ele foi esmagado por nossos pecados. Daí o derramamento do vinho do Espírito Santo!

    Hoje, na igreja, há mesmo “pastores” infiéis. Estes homens podem até terem sido, por um tempo, guiados pelo Espírito Santo, antes de se tornarem corruptos. Em vez de deixarem se levar simplesmente pelo exemplo de Deus, e verem a Igreja como família de Deus, para dar bons frutos – com o tempo eles se tornam corruptos. Com o tempo eles se parecem mais e mais simples governantes terrenos de uma organização. A igreja não é mais visto como uma família, embora, eles muitas vezes recorrem ao nepotismo (nomeação de membros de sua família) para preservar o seu domínio (um sinal de alerta para tomarmos cuidado quando identificarmos homens com estas características).

    Estes homens procuram inserir-se entre o nosso verdadeiro rei e povo de Deus. Alegando revelação divina e apenas se passando por espirituais da boca para fora estes por vezes conseguem encobrir estas características por algum tempo.

    Teres – Este nome significa “rigor”, “austera”, ou “grave”. Eles não são gentis na forma como eles guiam – mas são ariscos e autoritários. Eles são excessivamente severos e rigorosos em seus julgamentos e procedimentos disciplinares. Eles não são generosos, são avarentos e mesquinhos, por um lado querem parecer responsáveis para com as coisas da igreja (“vejam quanto dinheiro estamos economizando!” Eles falam disso em seus seminários), enquanto secretamente estão embolsando os benefícios para si mesmo em portas fechadas.

    Eles podem e vão eventualmente serem conhecidos por seus frutos. Pecado e escândalos (muitas vezes envolvendo lavagem de dinheiro, abuso dos dízimos, e até mesmo adultério) são o cheiro podre de sua fruta estragada.

    Conclusão – No final, porém eles são expostos e a justiça é restaurada. Mardoqueu aqui simboliza o Espírito Santo e é um lembrete para nós sempre sermos sensíveis e leais ao ouvir a voz de nosso verdadeiro rei e pastor de nossas almas Jesus Cristo. Como cristãos que nos foi dada uma unção do Espírito Santo, que nos conduz em toda a verdade (especialmente Sua revelação escrita – a Bíblia), para evitarmos e fugirmos de tais homens. Deus vai preservar a vida. Em ambos os casos desta tentativa de assassinato, e depois na tentativa de Hamã de cometer um genocídio – Deus interveio para preservar nossas vidas. Como Ester, temos a responsabilidade de fugir e alertar outras pessoas sobre esses homens (no amor e doçura), e não nos calarmos, nem permitindo que essas pessoas continuem abusar de nossa fé.

    Ester 4:14 Pois, se de todo te calares agora, de outra parte se levantarão socorro e livramento para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se não foi para tal tempo como este que chegaste ao reino?

  5. […] Perceba o mal, mas consiga a vitória. […]

  6. […] A heresia icemita é um desastre! Entenda: a espiritualidade estabelecida em falsa unção disseminou a educação equivocada no contexto da ideologia de Obra como forma de vida. A falsa unção é arma destruidora. Ela abre feridas, destrói a esperança, e mata! O gedeltismo serviu o pão bolorento e os icemitas estão doentes de esquizofrenia e não se dão contas. Tristeza! Perceba o mal, mas consiga a vitória. […]

Deixe o seu comentário

Resolva a seguinte pergunta para envio * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.