Farsa e Perplexidade

“Assim digo para que ninguém vos engane (gr. παραλογιζηται) com raciocínios falazes.” Colossenses 2:4

A iniquidade chegara às bordas do poço, prestes a explodir na mídia e a Maranata entrara em uma crise sem precedentes. Agora, a igreja do “seu” Abílio está exposta, cuja feiura é impossível de ser maquiada. Além de diversos processos no Judiciário Estadual e Federal envolvendo pessoas da cúpula da Instituição, recentemente a Receita Federal bateu-lhe às portas. Em decadência irreversível a Maranata foi encurralada em um beco sem saída.

Às antigas denúncias em comunidades do ORKUT e do YAHOO davam continuidade artigos, comentários e postagens publicados neste Blog; enquanto centenas de (fakes) idiotizados, incluindo pastores orkuteiros, ardiam de ódio em defesa da OBRA.

As campanhas de calúnia e difamação não nos intimidavam. Em 2008, na 6ª. Vara Cível de Vila Velha-ES, numa tentativa frustrada de impor a mordaça em quem denunciava crimes e descalabros dos anticristos palacianos a ICM-PES deu início às demandas judiciais inconsequentes.

Causa tristeza constatar as frases insanas com que os formatados ainda exibem alienação esquizofrênica nas redes sociais.

Leia mais »

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
11 comentários em Farsa e Perplexidade
 
Eu era cega e formatada… mas agora vejo!!!

Quando vejo que nada mais escapa do olhar crítico de muitos que ainda cercam a cúpula icemita eu glorifico a Deus! Esta cúpula agora está descobrindo o que significa: “tudo que vc disser poderá e será usado contra vc”, pq muitos estão sendo usados para propagar a realidade icemita.

Com isto me lembrei de que no ano de 2007 fui proibida de transmitir do meu celular os cultos que aconteciam dentro da igreja para o celular da minha filha, então com 15 anos que estava do outro lado da rua, dentro do nosso carro, excluída a dias da igreja por ter se engravidado solteira, e com um diagnóstico médico assustador de que ia enfrentar uma gravidez de alto risco que ia exigir acompanhamento quinzenal desde aquele primeiro mês para que fosse tentado uma amenização do problema controlando o nível do remédio em seu sangue e urina quinzenalmente, pq a criança corria sério risco de nascer com problemas mentais ou físicos, ou ambos devido a alta dosagem de remédio para epilepsia que ela tomava ao engravidar.

Leia mais »

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
47 comentários em Eu era cega e formatada… mas agora vejo!!!
 
os filhos da instigação do ódio

A ideologia Obra como forma de vida (gedeltismo) implodiu a denominação eclesiástica criada para autoafirmação da monarquia pseudocarismática. O telhado do palácio da rainha desfigurada revelou-se de vidro e o sub solo escondia o poço de iniquidades…

A língua afiada haveria de sofrer.

A implosão do maranatismo começou no início. Algo de desumano, de falsa fé, de malicioso e místico foi erguido com ares de Obra Maravilhosa. Entraram em um beco sem saída. Essa coisa louca não mais se sustenta. Nesse eclesiasticismo pseudocarismático o andar ao redor dos erros perfurou as mestras e vigas. O desmanche começou há muito tempo.

Aquele que se dispuser a denunciar erros, fraudes e meias verdades do gedeltismo não pode ter pena de si mesmo. Enquanto combater as heresias haverá de chorar gemidos e lágrimas dos sofredores.

Aqui estou para mais um dia de enfrentamentos. Se a Graça me envolve e o dever me obriga, não posso ter pena de mim. E dói na alma esta denúncia:

“Até minha segurança física foi ameaçada em recente “reunião” convocada para falar sobre dízimos e assuntos correlatos, reunião em que os membros (e particularmente eu) foram impedidos de se pronunciar. Avaliem os leitores se isso é comportamento de quem está almejando um “acordo” comigo.” Leia mais »

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
143 comentários em os filhos da instigação do ódio
 
Quando não mais dá tempo

A madrugada avançava.

A movimentação de pessoas e de veículo ambulância quebrou o silêncio no Hospital Central do Exército em Triagem, Rio de Janeiro. Certo doente dava entrada na Enfermaria para um longo dia de cuidados e exames…

Como gemia! Certamente, para não despertar os demais pacientes hospitalizados, colocaram o infeliz na sala do enfermeiro de plantão. Deixaram ali as instruções para nova dose de morfina e providências de rotina. E se retiraram.

Leia mais »

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
6 comentários em Quando não mais dá tempo