Na Caverna de Adulão

 

“Davi retirou-se dali e se refugiou na caverna de Adulão; quando ouviram isso seus irmãos e toda a casa de seu pai, desceram ali para ter com ele. Ajuntaram-se a ele todos os homens que se achavam em aperto, e todo homem endividado, e todos os amargurados de espírito, e ele se fez chefe deles; e eram com ele uns quatrocentos homens.”

I Samuel 22: 1-2

A Caverna de Adulão

 

Adulão significa justiça do povo, refúgio, esconderijo; é um complexo de cavernas que fica no vale de Elá, e segundo os arqueólogos e exploradores, existem partes desse complexo de cavernas que ainda não foram exploradas, e certamente caberiam ali todo aquele exército que se ajuntou a Davi.

Sem dúvidas, uma das passagens mais notáveis da Bíblia. Um homem que havia sido ungido causou ciúmes no rei Saul, a ponto de ser perseguido para a morte. Davi se refugiou na caverna de Adulão, para evitar o confronto direto com Saul, pois era destro nas batalhas e fatalmente iria dar fim à vida de rei. Inclusive teve oportunidade em fazer isso e não fez, conforme registro bíblico.

Agora, o interessante do texto é que Davi foi seguido por quatrocentos homens, nas seguintes circunstâncias: achados em aperto, endividados, de espírito desgostoso. Esses tais homens aceitaram a chefia de Davi sobre suas vidas.

Curioso que uma atitude aparentemente de covardia consegue despertar em quatrocentos homens a vontade de seguir alguém que, em tese, não tinha nada a oferecer, e o pior, em um lugar no mínimo estranho para alguém conseguir ter alguma espécie de terapia, visando a recuperação da autoestima, da tranquilidade, da paz, e até de saída do endividamento.

Meus irmãos, a analogia é inevitável. Este blog foi iniciado por um homem que escolheu um codinome para se identificar, parecendo ser uma atitude de covardia. A internet, na prática, para tentar atingir o público formatado da maranata, que é impedido de ler até e-mails, não seria o mais indicado para ser apresentado como refúgio; as pessoas que aqui entram estão exatamente como aqueles homens: angustiados, com o coração ferido e apertado, achando que devem ao sistema “obra”, mas aceitamos a autoridade espiritual do CV.

Meus irmãos, aqueles quatrocentos homens que preferiram deixar o governo de Saul, para serem chefiados por Davi, tornaram-se depois os seus homens de confiança, a ponto de terem os seus nomes registrados na Palavra com o destaque de “valentes”.

Com a devida ressalva que aqui não se está em voga qualquer espécie de trono, como até estão acusando os meia-solas heréticos, as pessoas que aqui participam vão ser melhores ao saírem, visto que a habitação será provisória, como a caverna de Adulão, sabe por quê? Porque aqui encontram a verdade! E essa verdade, a partir de então, fará parte do nosso convívio, haja vista que não seremos mais facilmente enganados, e serviremos, sem “oubristáculos” ao Rei Jesus!

“E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.” (João 8:32)

CV, com todo o respeito (…) é assim que vivemos aqui.

Louvado Seja o Nome do Senhor!

A Paz do Senhor a todos!

Alandati.”

Enviado em 30/06/2012 as 12:48 no artigo Lavando os pés.

.

.

Eu sei, amado. Eu sei…

Meu canto é de dores. Morrer de vergonha. Viver de esperanças.

“O homem que toca o tambor não tem ideia até onde o som chegará.”

Paz!

CV.

….

Que coisa maravilhosa!

 

Estava dirigindo voltando para casa e no sinal fechado, um rapaz gritou: Me dê uma ajuda para comprar o almoço. Dei o que tinha pra ele e disse: – Não vá comprar drogas! Compre comida! O rapaz ficou alegre e respondeu: – Pode deixar doutora. Com o sinal já aberto eu gritei: – Não sou doutora sou igual a você.

Assim continuei dirigindo e pensando naquele rapaz. Queria ter tido tempo de falar do amor de Jesus por ele. Queria dizer que Jesus nos trata de igual para igual, como a irmãos e que Jesus queria cuidar dele…

Depois me dei conta do quanto estávamos aprisionados a conceitos que nos levavam a achar que somos melhores, exclusivos, que Deus nos separou dos outros. Que tolice! Sinto vergonha de um dia ter pensado assim.

Depois disso me perguntei:

Por quê a gente precisa de alguém de fora para nos mostrar aquilo que estava diante dos nossos olhos? Por quê o CV precisou falar, e falar, para que nós pudéssemos sair?

Ao chegar em casa e acessar este Blog, o irmão Alandati me esclarece, de forma tão bela, como Deus separa os recursos e os servos para realizar seus planos.

Eu não imaginava nunca que Deus usaria a internet para me trazer o socorro.

Eu não imaginava nunca que Deus usaria um homem desconhecido, desprezado e caluniado cruelmente, iria me convencer de que tudo o que eu tinha como verdade era sim, uma grande mentira.

Eu não imaginava nunca que um dia ia conseguir sair da prisão em que eu vivia, onde era infeliz e não sabia o porquê, e não conseguia me livrar.

Mas, o que os olhos nunca viram, o coração nunca sentiu sentiu, Deus preparou. E este espaço não é só pra 400 homens mas para as mulheres, jovens, idosos, crianças, cadeirantes, bengalantes, surdos, ricos, pobres, endividados, sem dívidas… e tantos, tantos outros que quiserem.

Que milagre maravilhoso!

E é verdade irmão, nós vamos sair daqui bem melhores. O nosso amado CV tem nos ajudado nisso mostrando-nos a verdade. E cá pra nós, ele é de muito bom gosto.

Que ele permita sempre que Deus o use de forma poderosa, para que muitos outros possam enxergar a verdade.

A paz do Senhor Jesus a todos.

Eurípia Inês.”

Enviado em 30/06/2012 as 15:17 no mesmo artigo.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS