Cinco anos da Operação Entre Irmãos

A coisa nasceu errada escondendo interesses inconfessáveis bem lá no fundo das ambiguidades de alguém e deixando insights de idiossincrasias que alguns inteligentemente conseguiam perceber. E pior: a coisa caminha no erro inicial. Não há mudanças!

A marca do governo oligárquico e pseudocarismático é apostasia, dominação, fisiologismo político, imposição do jugo, manipulação das massas, mordaça, negócios nebulosos e negativas de transparência.

A Maranata foi irremediavelmente e profundamente sacudida com ações investigativas da Polícia Federal e do Ministério Público Estadual e Federal.

1) a Operação Naufrágio, 2008, anota a conduta do pastor da Maranata atrás de interesses ilegítimos junto ao TJ-ES (e apesar disto, com o dedo de dono da empresa ele foi designado interventor);
2) a Operação Duty Free, 2009, alcançou diversos membros da Maranata com sentença condenatória pela Justiça Federal;
3) a Operação Entre Irmãos, 2012, atrás de desvios de doações da Igreja Maranata entrou nos escaninhos do palácio da rainha desfigurada, apreendeu computadores, dossiês (com factoides) e muitas outras provas para as DENÚNCIAS oferecidas pelo MP – ES em 2013.

Caixa dois na Maranata era coisa antiga… desde 1986. Dinheiro de ofertas voluntárias desviado para o bolso de sete pastores.

De lembrar as muitas perdas no caso Brasil Container (observe a data do artigo) fatos denunciados desde o antigo ORKUT e depois nos Blogs. Erros disfarçados e nada de desculpas. Famílias inteiras de membros da Maranata acreditaram em falsos dons e meias verdades apresentados com clamor pelo sangue de Jesus, consultas (bibliomancia) e profetadas nos cultos proféticos e nos seminários da Obra. Sim, estelionatários com vestes de obreiros – pastores inclusive – expropriaram bens dos irmãos – nas áreas consagradas ao culto cristão.

Devemos lembrar que nos termos do art. 127, caput, da Constituição Federal, o Ministério Público é uma instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Nada obstante, mais de 1.000 (mil) dias de DENÚNCIAS neste Blog do Cavaleiro Veloz (claro, contando do primeiro artigo publicado) e na manhã de domingo, 04.02.2012 eis o escândalo na mídia. Maranata: da fé à fraude. O artigo-denúncia confirmava a opinião do Blog, deixava atônita a Sociedade e estremeceu as bases da instituição religiosa. Surpresa!!!

Enquanto a liderança dissimulava erros e escondia fraudes, milhares de documentos começaram a formar provas para desmascarar crimes de apropriação indébita, caixa dois, desvio de ofertas voluntárias, duplicatas simuladas, estelionato, formação de quadrilha; e, bem dissimulados e enraizados os crimes contra a ordem tributária, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e quadrilha (associação) em investigações na Superintendência da Polícia Federal (Vila Velha-ES).

Foram bloqueados pela Justiça mais de 100 (cem) imóveis pertencentes à Igreja Cristã Maranata ou a membros da elite. Fatos notórios. Logo após o cumprimento da Ordem Judicial que levou a efeito a Operação Entre Irmãos, de 26.11.2012, o dono da Igreja (expressão com que na Denúncia de 08.05.2013 o MP-ES identifica do Presidente da ICM), a ATA de 12.12.2012 denominada de Atas de Colaboradores e funcionários do PES Sede e Almoxarifado é exemplo de manipulação de subalternos

Gente! Ao longo dos anos o esforço palaciano era para abafar os desvios. Destruíram PC’s, desviaram dinheiro, organizaram-se em quadrilha, produziram notas frias em volume impossível de esconder. Infelizmente, o artigo denúncia de Hugo Gueiros, datado de março de 2012, não obteve pronta resposta (este ilustre irmão até reclamou das perseguições sofridas); e, quando menos esperavam, em 26 de novembro de 2012 a Polícia Federal e o Ministério Público invadiram os becos do poço de iniquidades com a “Operação Entre Irmãos”.

Não existe amor. Difícil entender até onde a maldade chega.

O ano de 2012 ficou na história; mas no ano de 2013 houve duas ordens de prisão de pastores da Maranata: 1) em 12 de março, logo depois do desfile na Praça do Papa; e 2) em 24.06.2013 com o recebimento da denúncia do MP-ES. Lembrem-se de que, além da DENÚNCIA de improbidade administrativa em 31.07.2013, envolvendo outros pastores da Instituição, correm processos e sentenças. O STF insiste na apuração dos crimes.

O Blog entrou no nono ano de ministério e desde o artigo momentos sem palavras disponibiliza mais de 400 artigos e comentários em milhares de postagens. O poço de iniquidades será completamente devassado no JUÍZO FINAL. Os retirantes procuram puxar os cacos dos cascos dos falsos profetas mancomunados com maus pastores.

Pior que, às vezes, nem cacos conseguem e devem começar do zero.

Quem fugiu do maranatismo opressor não olhe para trás.

Se atualmente, Gedelti Gueiros afirma: a verdade está na inocência (como fez em BH, publicamente), acredite se quiser.

Se esta Instituição ameaça dissidentes e intimida testemunhas doo MP-ES com processos na Justiça ao que contestar doutrinas, erros, falácias, falso profetismo, heresias, mitos, ordens e normas emanadas do Presbitério; deve levar em conta que, felizmente, a CARTA MAGNA garante a liberdade de expressão e de opinião.

Se perguntar não ofender, aqueles maus pastores que para si amealharam bens da Instituição, por acaso devolveram? Por acaso o Conselho Presbiteral conseguiu a devolução dos imóveis expropriados? Por acaso o Conselho Presbiteral conseguiu amigavelmente a devolução do que foi expropriado do Maanaim de Domingos Martins? Hein?!

Tem muita sujeira nesse poço de iniquidades…

“O SENHOR é minha bandeira.”

CV.

Revisão em 28.11.2017 às 14:00

Cite o artigo

http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2017/11/cinco-anos-operacao-entre-irmaos

Leia mais

> Bens de pastores da Maranata crescem 6 vezes
> Pastor briga para retomar a liderança da igreja Maranata

> Operação apreende documentos em sedes da Igreja Maranata
> Fraude derruba toda a cúpula da Igreja Maranata
> Igreja Maranata: dízimo desviado em fraude milionária
> Pastor usou ‘visão’ para justificar desvio
> Envolvido em compras foi preso pela federal
> R$ 1,8 milhão doados à igreja
> Igreja contratou sobrinho de presidente
> Maranata: “uma igreja que surgiu da luta pelo poder”
> Maranata pagou R$ 941 mil em materiais nunca entregues
> Maranata: líder da igreja é investigado

> Crimes federais investigados

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

2 Respostas para “Cinco anos da Operação Entre Irmãos”

  1. Cavaleiro Veloz disse:

    Agora eles juntam os cacos.

    Angústia!!!

    Conheço irmãos que perderam família, bens e continuam doentes porque acreditaram em doutrina revelada… mistérios da Obra que veio da eternidade… e projeto de salvação.

    Então, o escândalo no domingo, 04.02.2012!

    Então, o escândalo no dia 26.11.2012. O clamor foi ouvido e o Ministério Público Estadual e Federal entraram em cena.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/04/nota-a-imprensa/

    Então, o dono da Igreja insistiu em ameaças, demandas, mandos e mordaças; mas os retirantes começaram a encher as estradas…

    Nesses anos de antigas e constantes DENÚNCIAS de ex-membros no ORKUT (2004-2014) e no Yahoo; e desde o nascimento do Blog do Cavaleiro Veloz (estamos no nono ano) colecionamos incontáveis postagens e protestos contra a atuação de falsos profetas e de maus pastores da Maranata no País e no Exterior.

    Nossos arquivos preservam centenas de postagens denunciando

    ameaças de morte, apropriação indébita, caixas dois nos Maanain’s, desvio de ofertas voluntárias para contas bancárias de pastores (em conjunto com esposa), enriquecimento ilícito de membros da elite palaciana, fraudes em relatórios, notas fiscais frias, pirâmide de containeres nos ambientes de culto… isto para falar de crimes (em tese) menores; havendo procedimentos investigativos para apuração de crimes contra a ordem tributária, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. E entremeado nessas iniquidades a figura furibunda e imponente do promotor-pastor Marcos Picone imbuído das funções de advogado-administrador-coordenador-professor de seminários e sei lá mais o quê dessa coisa espantosa e podre em que o governo oligárquico e pseudocarismático se tornou.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2014/02/processo-contra-marcos-antonio-picone-soares/

    Nunca deveríamos deixar de considerar o estrago feito pela ideologia Obra como forma de vida, espúria por natureza; porquanto a pergunta que não quer calar permanece em cada crente cujo coração está em pedaços:

    porque deixei crescer dentro de mim
    o mal que destruiu milhares de vidas?

    O Ministério Público protestou na ação penal 0081634-86.2013.8.08.0024:

    Instituição que em seus próprios petitórios reconhece sua condição de vítima de ilícitos mas, na prática, adota condutas que impedem a responsabilização de todos os que a prejudicaram, circunstância que denota o comprometimento deletério dos envolvidos na direção da Entidade.

    Onde cada aniversário da Igreja aponta a queda do governo oligárquico, homens honestos e mulheres sinceras refletem e rompem com o sistema.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2016/09/aniversario-da-rainha-desfigurada/

    “O SENHOR é minha bandeira.”

    CV

  2. Cavaleiro Veloz disse:

    Ano chegando ao fim e não existe mudança!

    Como esta liderança pode pregar contra contrabando, duplicatas simuladas, estelionatos, evasão de divisas, fraudes e outros crimes se ela corrompeu-se?

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/07/conhecendo-a-maranata-por-dentro/

    Demonstrei o desvio de ofertas voluntárias para os bolsos de sete pastores. Documento nos autos da DENÚNCIA de 08.05.2013.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/08/coisas-da-banda-podre/

    Em nome de o sinhô revelô convocam os membros para seminários: exigem pagamento antecipado, marcam e desmarcam datas criando o estorvo na membresia e reafirmam: parcelas pagas não serão devolvidas caso haja desistência. Não devolvem as parcelas! Oh! Os membros são devedores da Obra, o restolho da sociedade religiosa.

    Encheram os bolsos com dinheiro da Instituição, fabricaram notas fiscais sem lastros, iludiram o mais que puderam, ingressaram com demandas judiciais inconsequentes, perseguiram os dissidentes e retirantes, pisaram nos necessitados e nos pobres, produziram males sem conta e se dizem inocentes enquanto engrossam os bolsos de advogados com fartos honorários.

    Enorme o registro de profetadas e revelagens que deram curso aos males que assaltaram a membresia nessa jornada de quarenta e oito anos:

    apostasia, avareza desmedida, balcões de negócios,

    caixa dois, caixa único, crianças molestadas,

    culto profético, desestruturação familiar, destruição de provas,

    desvio de ofertas voluntárias, discriminação, dominação da oligarquia,

    enriquecimento ilícito, estelionato religioso, fábricas de notas fiscais frias,

    falta de regimento interno, falta de transparência, filhos enganados,

    fraudes contábeis, imposição do medo, instigação do ódio religioso,

    má formação doutrinária e ética dos membros do presbitério, manobras de cartório, mantras maranáticos,

    meias-solas-laranjas, negócios nebulosos, negócios com o sobrinho do presidente,

    organização criminosa, quadrilhas, perseguição religiosa,

    remendos em declaração de imposto de renda, saques de dinheiro com cartão sem limites, traição…

    Não faltaram avisos!!!

    O SENHOR é meu Deus.”

    CV.

Deixe o seu comentário

Resolva a seguinte pergunta para envio * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.