Fase da cobrança de tributos…

A elite da organização religiosa (Código Civil, art. 44, inc. IV) denominada Igreja Cristã Maranata não deu ouvidos às antigas denúncias deste Blog apontando a banda podre nos escalões da Instituição; longe disso, o palácio da rainha desfigurada despejou o ódio religioso contra quem protestava nas redes sociais. Mordaça à moda da Casa! Não adiantou. Os desvalidos começaram a acordar dessa intoxicação luciferiana e as estradas ficaram cheias de retirantes.

A Mídia não perdoou, a Sociedade ficou espantada com iniquidade tamanha e o Supremo Tribunal Federal nega os três Habeas Corpus – unanimemente  – em desfavor de Gedelti Gueiros e Carlos Pimenta.

Bem verdade que autoridades públicas (Ministério Público, Polícia Federal) já acompanhavam a esperteza dos mercenários (por escutas telefônicas autorizadas com ordem judicial); e enquanto Daniel Moreira e Forland da Silva Almeida, em nome da Instituição forçavam a barra contra GOOGLE e outras desse perfil, em alto e bom som o Judiciário expediu mandados e logo os descalabros da fábrica de demandas judiciais resultaram notórias sentenças: a iniquidade da Instituição estava sendo conhecida no mundo jurídico.

“Dai pois a César o que é de César,

e a Deus o que é de Deus.”

De notar as falas de alguns cúmplices do gedeltismo: …fomos gerados por uma doutrina e somos fiéis a ela, pois ela mudou a nossa vida… (Duguay, em entrevista em A TRIBUNA); …foi para preservar os nossos valores, e são esses valores que vão nos fazer passar uma herança para uma próxima geração de servos do Senhor na obra…. (Gilson, em encontro no Maanaim). Duguay e Gilsom figuram como membros do Conselho Presbiteral manipulado por Gedelti Gueiros, o mandante do pernicioso voto de cabresto: caminho falsamente ético e moral para se votar as coisas; mas esse é o jeito medonho que o dono da empresa e mestre-profeta quer para se manter no poder.

DENUNCIAS do Ministério Público Estadual (Maranata I, Maranata II, Maranata III) foram prontamente recebidas, inclusive, com decisão de indisponibilidade dos bens. Não duvidem: o julgamento vem.

Diversos procedimentos investigativos continuam juntando provas documentais da maior relevância. Há certa expectativa de denúncia de crime de evasão de divisas e lavagem de dinheiro… Já existe delação premiada homologada (e ameaças de delações).

E aqueles meias solas palacianos representantes do Presbitério – que não ouvem os reclamos e nunca sabem das tramas – não mais se lembram das informações do GAECO – MP-ES em Procedimento Investigativo n. 5 endereçadas ao Juízo Criminal de Vitória – Capital.

Entenderam?

O gedeltismo apresentou a capacidade de iludir a membresia por longo tempo, conseguiu encurralar a Maranata em um beco sem saída e gerar um bando de fariseus mercenários. O gedeltismo nos traiu. O mal está enraizado – da cabeça aos pés. O palácio da rainha desfigurada é casa de espíritos de engano, falsidades, fraudes, meias verdades e tramas. Os palacianos afirmam cultuar o Deus dos cristãos, mas acenderam o “fogo estranho” e não fazendo caso da ira divina. Para exibir orgulho religioso ameaçam autoridades, armam ciladas contra dissidentes, articulam demandas judiciais inconsequentes e provocam tumulto.

O leque de crimes (em tese) dessa banda podre aparece em diversos Procedimentos Investigativos: apropriação indébita, contrabando e/ou descaminho, desvio de dinheiro público, estelionato, evasão de divisas, falsidade ideológica, formação de curral eleitoral, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

 Fase da cobrança de tributos.

O lançamento do crédito tributário é um mecanismo jurídico que dá certeza, exigibilidade e liquidez ao tributo que lhe é lógica e cronologicamente anterior. Evidentemente, não é o lançamento que dá nascimento ao tributo, mas sim a ocorrência do fato imponível. Portanto, o lançamento é um ato administrativo declaratório.

O ordenamento público quer recuperar tributos devidos e não pagos pela Instituição, porquanto na denúncia de 08.05.2013 foi tipificado, inclusive, o crime de duplicata simulada (emissão de notas fiscais frias, Código Penal, art. 172). Os abarrotados cofres da Instituição estremecem diante da força da Fazenda Pública? Parece que não…

O Procedimento Fiscal apurou em R$ 22.883.477,69 (vinte e dois milhões, oitocentos e oitenta e três mil, quatrocentos e setenta e sete reais e sessenta e nove centavos) a responsabilidade tributária (IRPJ, CSLL, IRRF e COFINS) do sujeito passivo. Notificação de 10.12.2015.

Ora, os agentes da Fazenda Pública estariam prevaricando se não tomassem essas medidas.

Processo 0730100.2014.00079 em face de Igreja Cristã Maranata, CNPJ 27.056.910/0001-42, Rua Torquato Laranja, 90 – Vila Velha – ES.

Quão profundo é esse poço de iniquidades palacianas!!!

Que Obra Maravilhosa, hein Gedelti?!

Quem queira organizar maranatinhas pseudocarismáticas pensa que escapará desse juízo?

“O SENHOR é minha justiça.”

CV.

NOTAS

Acesse

https://diganaoaseita.wordpress.com/

https://www.facebook.com/CavaleiroVeloz

https://www.facebook.com/groups/retirante/

https://obramaranatarevelada.wordpress.com/

https://www.facebook.com/groups/maranatarevelada/

https://www.facebook.com/esperancadapromessa/?fref=nf

https://www.facebook.com/groups/maranatarevelada/?fref=ts

https://www.facebook.com/groups/453224961469057/?fref=ts

Agente de informação do PES, falso profeta, mau pastor e/ou meia-sola de plantão, faça cópia e entregue em mãos do dono da empresa multimilionária que nega transparência.

Aqui não é lugar para calúnias e difamações. Discutimos doutrinas e ideias.

Caso faça cópia ou transcrição dos textos publicados neste Blog. Este artigo  http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2016/03/fase-da-cobranca-de-tributos/

Em nome da ética democrática, que a data original e origem da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

Escrever em CAIXA ALTA (letras maiúsculas) é deselegante. Evitem postagens fora do FOCO do artigo.

Expressões e frases em itálico aparecem em apostilas da ICM-PES.

Imagens colocadas no artigo como ilustração foram retiradas da Internet (Google) e também dos textos aqui postados, presumindo serem de domínio público. No caso que haja alguma imagem sem os créditos devidos não foi intencional; e, deste modo agradeceria em nos avisar que colocaremos os créditos.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

10 Respostas para “Fase da cobrança de tributos…”

  1. a.antunes disse:

    Eu li isto mesmo??

    R$ 22.883.477,69 (vinte e dois milhões, oitocentos e oitenta e três mil, quatrocentos e setenta e sete reais e sessenta e nove centavos) de responsabilidade tributária (IRPJ, CSLL, IRRF e COFINS) do sujeito passivo – ICM?

    Gente, estava esperando esta reação das autoridades…

    E agora gedeusti?

  2. Celma Rodrigues disse:

    De repente tudo ficou muito confuso, estranho… e agora essa cobrança de impostos daquela que se dizia perfeita… igreja fiel dos últimos tempos… obra revelada… e tal.
    CV, eu fico mto pesarosa lembrando anos e anos que contribuimos e horas e horas de jejum e oração…
    E agora isso? Esse é o fim Gedelti ?
    Foi fácil não? Meter as mãos no cofre o quanto quiseram e aparecer com aquela hipocrisia toda no Maanaim falando de OBRA… OBRA… OBRA… A Maranata está sendo perseguida… Outro dia me falaram que o Maanaim de DM tem dono … e não acreditei … Gente, onde vamos parar?
    .
    .
    Celma Rodrigues

    Bem vinda

    A família Gueiros deu causa à dissidência entre os presbiterianos da IPB em Vila Velha (1968).

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/a-igreja-de-seu-abilio/

    A motivação era clara: como não conseguiram impor Jedaias Gueiros como pastor local, desejaram ficar fora do controle das autoridades eclesiásticas da centenária Instituição de governo presbiteral (com estatuto, fundamentos doutrinários, normas de ética pastoral e regimentos); e então, organizaram a ICP-PES, depois ICM-PES, atual ICM.

    E assim nasceu o Golias sectário exibindo a forca, a força e o poder religioso:

    1) depósitos bancários on-line expressamente controlados (e manipulados) pelo dono da empresa no palácio religioso sediado em Vila Velha-ES;

    2) governo de pequeno grupo centralizado em familiares, vale dizer: governo oligárquico (coisa de genro, sogro, cunhado, irmã, irmão, sobrinhos e chegados facilmente manipuláveis) debaixo das ordens do dono da empresa;

    3) hierarquia no ministério leigo dependente da ideologia Obra como forma de vida, falso batismo com o Espírito Santo, falso profetismo e novas revelações do Apocalipse;

    4) igreja de Vila Velha-ES dominando as igrejas de outras cidades;

    5) negócios de família com lucro certo;

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/negocios-de-familia-e-fabrica-de-judas/

    6) o monarca dominando o clero superior, este, por sua vez, dominando o clero inferior e este dominando as unidades locais exigindo obediência e impondo o jugo maranático notoriamente pseudocarismático;

    7) o registro do patrimônio em nome da Instituição facilitando transferências de bens mediante procurações do tipo: – assina aqui, Arlíneo.

    https://obramaranatarevelada.wordpress.com/2014/02/15/seita-maranata-a-icm-tem-dono-sim-gedelti-gueiros-e-familia-assim-como-o-maanaim-de-domingos-martins-pertence-a-familia-gueiros-a-maioria-dos-templos-tambem-pertence-a-familiares-do-vpc/

    Eles imaginavam que mal nenhum haviam praticado e que nunca seriam pegos nas fraudes e maranacutaias palacianas; mas a iniquidade entornou e os escândalos encheram as páginas da mídia (centenas de artigos) e forçaram a atuação do Ministério Público em conjunto com a Polícia Federal.

    Esta é a realidade: a Maranata entrou no curso da DECADÊNCIA.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/a-decadencia-da-maranata/

    FATOS!!!

    Não faltaram avisos… repetidas vezes…

    O caminho escolhido e escorregadio foi esse…

    O que era de se esperar?

    “O SENHOR é minha justiça.”

    CV.

    Revisado em 11.03.2016 às 13:00

  3. Pr.Eduardo Gil Vasconcellos disse:

    A mentira caiu por terra!!!

    Agora chegou a hora da Justiça. não há mais ingênuos.

    A verdade esta escancarada, não ha desculpas, só cego não enxerga as heresias, as mentiras e enganos de todos os tipos.

    A casa mal assombrada não traz medo nenhum. Acabou! O palácio da rainha desfigurada ruiu pelas bases…

    Como dizemos aqui no Sul, deu pra ti Gedelti…

    Um abraço fraterno a todos que romperam com esta seita herética!
    .
    .
    CHEGA DE MENTIRA!

    Ficantes e Retirantes prestem atenção: acompanhem as instruções em http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/a-quem-possa-interessar/
    e
    DENUNCIEM

    “O SENHOR é minha bandeira.”

    CV.

  4. Cavaleiro Veloz disse:

    Março marcou a História da Maranata.

    10 de março de 2013 a exibição do poder religioso na Pç do Papa, domingo à tarde. O arauto da impetuosa marqueteira do palácio da rainha desfigurada gritou: “O rei está chegando!” Então, Gedelti assomou ao púlpito para nada dizer e melhor seria se nem tivesse aparecido.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/o-desfile-final/

    12 de março de 2013 a prisão de Gedelti, Amadeu, Elson e Carlos Pimenta. O desespero!

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/03/prisao-de-pastores-da-maranta/

    Contra alguns da elite da Instituição correm Denúncias (cíveis e criminais) do MP-ES em curso no Judiciário apesar dos recursos. Os habeas corpus protocolados no STF foram denegados em desfavor de Gedelti e Carlos Pimenta.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/negado-habeas-corpus-pelo-stf/

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/05/maranata-19-denunciados-por-estelionato-formacao-de-quadrilha-e-duplicata-simulada/

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2014/12/denuncia-recebida-indisponibilidade-dos-bens/

    Março marcou a História da Pátria

    A crise política e social era grave e no Comício da Central do Brasil (Rio – RJ), no dia 13 de março de 1964, Jango reafirmou publicamente o compromisso de estabelecer a execução da reforma agrária e a nacionalização das refinarias estrangeiras de petróleo.

    O estopim da crise. Setores contrários se articularam para que o conjunto de mudanças fosse impedido. Por meio de passeatas, publicações e discursos, as forças militares já contrárias a Jango tiveram o apoio suficiente para deflagrar o Golpe Militar, no dia 31 de março daquele mesmo ano.

    O espanto nos dias atuais são as delações premiadas revelando a coisa podre do governo dos petralhas com o noticiado risco de delações de políticos na Lava Jato. Em relação à crise política e social do País alguém empregou a expressão “março sangrento” (não sei quem a mencionou). O cenário é sombrio.

    Por estranho que pareça grande parte dos componentes do Legislativo estão presos à denúncias e investigações. No Executivo o clima já é de desânimo, corre impeachment conta Dilma e a OAB acaba de protocolar outro pedido de impeachment conta Dilma. Resta-nos o Judiciário alvo de ofensas e protestos – com “contornos de crimes”, afirmou o Presidente do STF. Juízes de Direito e Ministros do Supremo enquanto no legítimo desempenho de funções no Judiciário devem ser respeitados.

    Nenhum ministro desse governo petista sabe o que fazer. O estopim: a Lava Jato, investigações e sentenças. O STF golpeou a intenção da Presidente em puxar Lula para o cargo de ministro. O boca suja Lula está estrebuchando…

    O gedeltismo fracassou. O dono da empresa religiosa está doente e caminha em sombras e vitupérios. O MP-ES apontou Gedelti Gueiros na condição nefasta de “vértice da pirâmide do crime em uma sofisticada organização criminosa” (VPC da SOC), golpeou-lhe um dos braços e o impediu de continuar com as maranacutaias palacianas; e, para piorar, a Fazenda Pública deu início à cobrança de tributos. O outro braço de Gedelti o Eterno e Todo-Poderoso está quebrando. Quem lê entenda.

    O que mais incomoda ao dono da empresa são ameaças de delação premiada. Qualquer meia-sola remendado mergulhado em crimes (em tese) poderá se valer da DELAÇÃO PREMIADA.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/11/ja-esta-posto-o-machado-a-raiz-das-arvores/

    O religiosamente correto da Maranata espoliada pelos donos de balcões de negócios, Judas e mercenários palacianos evidencia o poço de iniquidades entremeadas em sombras e vitupérios. O rabo do Diabo está metido nisto.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/02/poco-de-iniquidades/

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/08/o-rabo-do-diabo-esta-metido-nisto/

    O politicamente correto do governo dos petralhas é corrupção escandalosa, qual nunca vista. O noticiário internacional é unânime nesses protestos.

    Os pedidos de delação premiada dos donos de empresas se amontoam dando foro aos comentários de que o PT e o PMDB receberiam o dinheiro em forma de doações eleitorais legais em troca de beneficiar a empreiteira nas obras públicas. O que esperava aconteceu: o PMDB oficializou o rompimento com o Governo.

    Relembrando…

    10 de março, 12 de março, 13 de março… 31 de março… aqui e lá…

    Sentindo o cheiro de estopim explodindo mais sujeira…

    Só não entende quem não quer.

    Atualizado em 29.3.2016 às 16:25

    Atualização

    300.000 acessos no mês de março de 2013

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/07/esta-ficando-muito-perigoso/comment-page-1/#comment-8644

    “O SENHOR é minha bandeira.”

    CV.

  5. jose pires disse:

    porque a igreja Maranata não agiliza o caso para prender os culpados. antonio angelo e mereles! eles não fala nada p as igrejas. ai eu digo? vamos pregar ok da gora para frente,so tem mentiras! vamos prender os culpados,afinal foram vite e dois milhões gente.
    .
    .
    Olá José Pires.

    A Maranata (Instituição) está presa ao comando do dono da empresa, interessadíssimo em manter o sistema e negar transparência. Enquanto a mentira corre NÃO HAVERÁ MUDANÇAS.

    Como denunciado em diversos artigos deste Blog as DENÚNCIAS do MP-ES atingem pessoas e a Fundação Manoel dos Passos Barros.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2014/12/denuncia-recebida-indisponibilidade-dos-bens/

    Felizmente, o S T F decidiu que os condenados agora vão para a cadeia depois da segunda instância. No nosso sistema processual prazos e recursos estão previstos e, por isso, a demora da decisão.

    Na Maranata é impossível pregar o “evangelho da graça de Deus… poder de Deus e sabedoria de Deus”. A ordem é abafar a consciência da membresia, calar os questionadores, cobrar dízimos e ofertas, criar fakes nas redes sociais, elogiar o dono da empresa, excitar os formatados idiotizados, exigir obediência, instigar o ódio religioso, negar transparência, perseguir e processar os que insistem em denunciar heresias e erros e pregar doutrina revelada recheada de dons obráticos. E querem nos fazer crer que foram apenas vinte e dois milhões. Acredite quem quiser…

    O banquete de ladrões foi posto e o poço de iniquidades é profundo.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/12/banquete-de-ladroes/

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/02/poco-de-iniquidades/

    Pense… e decida.

    “O SENHOR é minha justiça.”

    CV.

  6. Cavaleiro Veloz disse:

    A Receita Federal está cobrando da Igreja Cristã Maranata quase R$23 milhões por fraudes que resultaram em prejuízos ao cofre nacional.

    Também são alvo das infrações – já aplicadas – 10 membros de sua antiga diretoria, incluindo o presidente da instituição, Gedelti Victalino Gueiros.

    saiba mais

    Justiça do ES mantém denúncia contra membros da Maranata
    MP-ES abre inquérito para investigar desvio de dízimo na Igreja Maranata

    A íntegra do documento produzido pelos auditores fiscais, a que o jornal A Gazeta teve acesso com exclusividade, aponta que entre as irregularidades praticadas está a emissão de notas fiscais consideradas frias por não ter havido a prestação do serviço ou venda da mercadoria, o que configura crime contra a ordem tributária.

    Há três semanas, os envolvidos no processo começaram a ser notificados sobre o arrolamento de seus bens – que é uma forma de garantia para a Receita. Isto acontece quando a dívida cobrada é de pelo menos R$ 2 milhões e totaliza 30% do patrimônio. Como os bens da Igreja Maranata são superiores a este percentual, ela ficou livre do arrolamento.

    O trabalho dos auditores foi concluído no final de 2015 e logo após foi formalizada uma Representação Fiscal para Fins Penais. Os autos de infração, já emitidos e entregues, cobram, além dos tributos não pagos, as multas.

    Segundo o relatório, um pequeno grupo detinha o poder na na Igreja Maranata. E foram eles os responsáveis pela prática de uma série de irregularidades. Diz ainda que os fatos caracterizaram “o intuito fraudulento do contribuinte em se eximir do recolhimento do tributo.”

    É a primeira vez que a própria Igreja (instituição) é investigada, junto com outras 10 pessoas: pastores, ungidos, diáconos e seu presidente. Além disso, durante os procedimentos, um total de 10 empresas foram fechadas após a constatação das fraudes.

    A investigação teve início em fevereiro de 2014. O alvo foram os anos de 2010 e 2011.

    Foram analisados documentos da Igreja, de empresas e feitas diligências junto a fornecedores e prestadores de serviços.

    Algumas empresas não foram localizadas, outras estavam com as atividades paralisadas, ou sócios e titulares não foram encontrados.

    Também foram ouvidos depoimentos. Informações que reforçaram para os auditores “os indícios de que recursos foram desviados da Igreja Cristã Maranata a partir da utilização de notas fiscais frias em que não se provou a efetividade das operações nelas descritas”, diz o relatório.

    A emissão destas notas frias ocorria a pedido do Presbitério – a cúpula da Igreja, à época – e era destinada a empresas cujos donos eram membros da instituição. “E o ciclo se fechava com o depósito dos valores nas contas correntes daquelas pessoas jurídicas, concretizando-se o desvio com os saques dos recursos e sua entrega a particulares”.

    Outra constatação da investigação foi que o próprio estatuto da Igreja foi desrespeitado. Um exemplo é que ele proíbe que seus membros sejam sócios de empresas prestadoras de serviços.

    De acordo com a Receita, a imunidade tributária concedida às igrejas não é “ampla e irrestrita”, mas destinada às finalidades essenciais da instituição religiosa. E pode perdê-la, como foi o caso da Maranata, se houver desvios. “Como foi constatado neste procedimento fiscal”.

    STF negou recursos

    Três recursos de pastores da Igreja Cristã Maranata foram negados, por unanimidade, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Eles tentavam impedir a continuação do processo penal que tramita contra eles na 2ª Vara da Justiça Criminal de Vila Velha.

    A denúncia partiu do Ministério Público Estadual – do Grupo de Atuação Especial de combate ao Crime Organizado –, em 2013. Segundo eles, uma organização criminosa atuava na Igreja praticando crimes mediante o desvio de dízimos e contribuições oferecidas pelos fiéis daquela comunidade religiosa.

    A estimativa é de que foram desviados dos cofres da instituição mais de R$ 24 milhões. Os supostos crimes teriam sido praticados pela antiga cúpula da instituição, da qual faziam parte 19 pastores, todos denunciados. Dentre eles estava o fundador da instituição e presidente do seu Conselho Presbiterial, Gedelti Victalino Teixeira Gueiros.

    A denúncia foi resultado de uma investigação divulgada por A Gazeta, com exclusividade, a partir de fevereiro de 2012.

    Há ainda uma outra denúncia feita pelo Ministério Público estadual relativo a ameaças feitas à imprensa, fiéis da Igreja que denunciaram os fatos e até a uma juíza.

    Os dois processos tramitavam em Vitória, onde chegou a ser realizada até uma audiência, mas a partir de uma decisão da Justiça Estadual, foram encaminhados para Vila Velha. Naquele município os trâmites foram reiniciados.

    A denúncia foi confirmada novamente pelo Ministério Público Estadual e o processo está concluso para a decisão do Juízo da 2 ª Vara Criminal, que decidirá, novamente, se aceita ou não a denúncia.

    Um outro processo foi aberto pela própria Maranata, quando surgiram as denúncias, contra dois de seus membros: o ex-vice-presidente Antonio Angelo Pereira dos Santos e o ex-contador Leonardo Meirelles de Alvarenga. A Igreja os acusava pelos desvios que apontava serem da ordem de R$ 2,1 milhões.

    Em dezembro do ano passado, o Juízo da 8ª Vara Cível de Vitória, inocentou o vice-presidente das acusações feitas pela própria ICM, e condenou o contador.

    Há ainda processos tramitando na Justiça Federal, inquéritos na Polícia Federal e na Alfândega, relativos a descaminho, evasão de receitas e lavagem de dinheiro relativos à compra de equipamentos no exterior sem a devida comprovação e envio de dinheiro para “os irmãos no exterior”.

    Outro lado

    Para a Igreja Cristã Maranata, não houve emissão de notas fiscais “frias”. Todos os pagamentos feitos pela instituição referiam-se a serviços que foram efetivamente prestados e bens que de fato foram adquiridos.

    Este é o principal argumento de defesa contra o processo aberto pela Receita Federal. “Temos a comprovação de tudo o que foi pago”, assinala o advogado Rodrigo Francisco de Paula, que faz a defesa da Maranata e de sete dos dez investigados.

    Contrários

    Apesar de haver depoimentos no relatório produzido pelos auditores fiscais, de pessoas que assumem a emissão de notas fiscais frias a pedido do Presbitério da Igreja, o advogado mantém seu argumento.

    “O ordenador de despesa paga as notas a partir da informação do que foi de fato recebido.

    Podem ter havido falhas, mas do ponto de vista da ICM há a comprovação documental e material. É o que conseguimos demonstrar, independente do que foi apontado pela Receita”.

    A única exceção, declara o advogado, diz respeito às notas fiscais questionadas na ação movida pela Igreja contra o ex-vice-presidente, Antonio Angelo Pereira, e o ex-contador da Igreja, Leonardo Alvarenga. Os dois foram acusados de desviar R$ 2,1 milhões de dízimo recebido dos fiéis. “Só neste caso houve pagamento indevido”, acrescentou de Paula.

    Inocência

    Nesta ação, a Justiça estadual condenou o contador, e inocentou Antonio Angelo, com o argumento de que não haviam provas suficientes de sua participação e de que algumas assinaturas em documentos não se comprovaram serem dele.

    Segundo o juiz Manoel Doval, a Igreja também “não demonstrou interesse em descobrir quem autorizou os pagamentos sem assinatura ou com assinatura irregular, nem de acionar judicialmente quem também confessadamente teve participação no episódio que somou um prejuízo de quase R$ 1 milhão, conforme relatório da própria auditoria interna”, diz o texto da decisão.

    O advogado diz ainda que a Maranata não é uma organização empresarial, e não adota uma série de rotinas de controle e pagamentos de despesas típicas das empresas. “A contabilização é muito mais simples.”

    Imunidade

    Afirma ainda que a imunidade da Igreja não foi totalmente suspensa, mas apenas em relação aos valores questionados pela Receita Federal.

    Informou ainda que as defesas já foram apresentadas e devem ser julgadas em 1ª instância, em prazo ainda não definido, mas que é possível haver recursos até em Brasília.

    Os processos que tramitam na 2ª Vara Criminal de Vila Velha, informou o advogado Fabrício Campos, aguardam a avaliação do Juízo sobre a aceitação ou não da denúncia.

    http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2016/04/receita-cobra-quase-r-23-milhoes-por-fraude-em-igreja-maranata-no-es.html

    “O SENHOR é minha justiça.”

    CV.

  7. josé novo disse:

    Quinze anos de dízimos dados para pagar ar condicionado enquanto eu esposa e filho dormíamos no calor tremendo,dízimos que pagaram operações plásticas de esposas de pastores idas ao shopping e por ai vai, eu pensava: estou numa obra maravilhoooooosa, kkkkkkkk 15 anos na correria para atender às orientações do sinhô, e hoje sem um curso tecnico, porque na época tinha que realizar a obra não consigo emprego. que Deus tenha misericórdia desses homens.
    .
    .
    Amado, confie em Deus.

    Conte com minhas orações.

    Contra esses homens que não exerceram misericórdia e impuseram pesadas regras e mais regras sobre os crentes o juízo será justo. Não me refiro às demandas em curso no Judiciário com as sentenças condenatórias que se aproximam e certamente virão; mas ao juízo que Deus haverá de promover, porquanto o mal feito é espantoso e grande. Eles desprezaram o que Deus disse, do jeito que Ele disse e maltrataram o rebanho. Falsos profetas mancomunados com maus pastores pisaram no povo e protegeram o dono da empresa.

    Erga as mãos com o coração confiante que Deus está vendo não somente o mal que esses maus pastores fizeram; mas tantos quantos estão sofrendo as consequências de doutrinas de homens, heresias, profetadas e revelagens.

    O dono da empresa religiosa prometia mistérios da Obra revelada e os falsos profetas o apoiavam com profetadas e revelagens; mas eram expressões do poder religioso centralizado nas mãos de mercenários e roubadores. Nesse sentido afirmo que a unção recebida pelas mãos desses homens nada mais é do que autoridade eclesiástica para defender interesses inconfessáveis da elite. Por fazer afirmações que tais fui hostilizado e perseguido.

    O gedeltismo faliu e máscara caiu.

    https://obramaranatarevelada.wordpress.com/2014/10/14/obra-maranata-os-membros-passaram-a-viver-gravitando-em-funcao-dos-caprichos-e-melindres-desse-egregoro-obra/

    https://radiomaanaim.wordpress.com/category/testemunhos-de-obreiros-servos-pastores-diaconos/page/61/

    Os destroços dessa ideologia (Obra como forma de vida) estão por toda parte; a mensagem além da letra é engano e fantasia; desgaste e canseira em exigir obediência às orientações do sinhô.

    Quanta mentira!!!

    Resta-nos, da parte do Senhor, a esperança como garantia, porquanto “aquele que perseverar até o fim (mostrando firmeza em Jesus) será salvo” (Mt. 24.13). Ele prometeu e Ele cumprirá.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/08/em-que-consiste-a-esperanca-do-crente/

    “O SENHOR é minha justiça.”

    CV.

  8. Rosannia Kinsley disse:

    Olha ai, CV, as “perolas” de Renan Viana na comunidade https://www.facebook.com/groups/404410706373994/?fref=nf
    “Ninguém vai parar essa Obra maranata é nosso grito” … “essa Obra é tudo pra mim”… “final dos tempos em todo lugar aonde estiver o homem a frente haverá falhas , não to na igreja pra olhar o homem mais sim pra buscar uma bênção meu alvo é Jesus pode cair o mundo estou em paz.”…
    .
    .
    Rosannia Kinsley

    A formatação é coisa delirante. Corrompe o caráter do indivíduo e dele faz boneco facilmente manipulável.

    A formatação é como droga que prende o indivíduo ao vicio. Enquanto a dose diária da droga mantém o delírio o indivíduo está preso. Formatados estão presos à ideologia do mestre-profeta, agora denunciado pelo MP-ES.

    A formatação é jugo imposto pela ideologia Obra como forma de vida.
    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/formatacao-jugo-imposto-na-obra/

    Formatados acreditam no pior das mentiras de seus líderes, são treinados para crer nas crenças propaladas no sistema – ainda que sejam o pior das mentiras; e assim continuarão a fazer as coisas conforme os jargões introjetados na mente. Há 6 anos escrevia a respeito.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/04/o-pior-das-mentiras/

    O caráter do formatado expressa o ambiente (filosófico, gnóstico, justiceiro, maçônico, ocultista, pseudocarismático, religioso, social, teosófico etc.) em que vive.

    O crente maranata foi formatado para sofrer perdas. Observe o sofrimento de José: “Quinze anos de dízimos dados para pagar ar condicionado enquanto eu esposa e filho dormíamos no calor tremendo, (…) 15 anos na correria para atender às orientações do sinhô, e hoje sem um curso tecnico, porque na época tinha que realizar a obra não consigo emprego.” Em outra postagem ele declara: “… ter maltratado meu filho único, minha esposa, atrasei toda a minha vida em nome da realizacao do sonho de um louco.”

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/03/o-preco-da-seguranca/comment-page-2/#comment-9956

    O formatado não consegue pensar de outro jeito, ainda que continue sofrendo perdas. O orgulho religioso é fundamental da formatação. Nesse sentido a criação de páginas do Facebook com nomes “orgulho de ser Maranata”

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/11/discriminacao-narcisismo-e-orgulho-religioso/

    O processo de formatação na Maranata impõe o DNA do mestre-profeta, o criador da ideologia Obra como forma de vida. Este processo é insidioso, maligno, premeditado, real e sectário. Filhos do gedeltismo pensam como o pai da Obra… e nessa ardilosa concordância ficam atolados exatamente como o criador desse gigantismo heterodoxo.

    Pergunta-se: onde o “evangelho da graça de Deus… poder de Deus e sabedoria de Deus” ensina que a igreja de determinada cidade domine igrejas em outras cidades?

    “O SENHOR é minha justiça.”

    CV.

  9. josé novo disse:

    Verdadeiramente foram 15 anos de fidelidade, não só as orientações do sinhô, (lê-se sinhô mesmo), mas também à palavra. Muitas vezes humilhado, sem causa e nem culpa. Traído por aqueles que “comiam à mesa comigo”, mesmo que nunca tenha tido problemas com ninguém, e sendo amado por todos da igreja local.

  10. Normall disse:

    Olá!

    Estou postando aqui após um tempo de ausência apenas para pontuar:

    1. Os líderes não se sentiram culpados por que são brasileiros da pior estirpe, em miúdos, os 23 milhões são moedinhas de troco perto das centenas de milhares de dólares que foram computados pela seita em anos;

    2. As pessoas são tolas ao ponto de acreditarem que existe verdade em lideranças que eles sequer sabem como chegaram ao poder;

    3. Brasileiro não se preocupa com prestação de contas, maranático então nem se fala;

    4. A culpa é da membresia que ouve tudo calada;

    5. Membros da ICM são tolos, acreditam que a seita é perfeita e não entendem que os donos desta empresa são malandros de mão cheia;

    6. tenho pena, inclusive de familiares, que insistem em ficar lá.
    .
    .
    Ao lerem críticas aos erros e heresias que dominam a Maranata alguns ficam aborrecidos, jogam pedras e ofendem.

    Com ligeira passada de olhos em Marcos, Mateus, Lucas e João – não há necessidade de maior esforço – a audácia de JESUS critica a espiritualidade falaciosa dos escribas, dos fariseus e dos sacerdotes.

    Já que nossas postagens apontam erros do ensino intoxicante na Maranata, onde os nossos acusadores estavam que não DENUNCIARAM os erros dos líderes da ICM?

    No entanto, alguns gostam de desenho. Então, finalmente, o retrato de A OBRA:

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/a-obra/

    O Blog insiste em abandono da apostasia, arrependimento e confissão de pecados, comunhão com Deus, fidelidade às Escrituras, e restituição do devido e do roubado, custe o que custar. Neste afã disponibiliza espaço até aos adversários da “fé em Jesus” caso queiram contestar artigos, páginas e postagens.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/03/o-clamor-publico/

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/as-escamas-dos-olhos-cairam/

    O Blog não se intimida com ameaças, porquanto esta é a razão de sua credibilidade, eficácia, força, inteligência, oportunidade, segurança e sinceridade.

    Por fim, este é o sétimo ano de Ministério a favor dos crentes desesperançados e sofredores com insistente AVISO aos maranatas:

    RETORNEM ÀS ESCRITURAS.

    “O SENHOR é minha justiça.”

    CV.

Deixe o seu comentário

Resolva a seguinte pergunta para envio * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.