Da cumplicidade à ética de Judas

Resultado de imagem para "Judas Iscariotes A decadência da Maranata é notória. Apostasia, corrupção, estelionatos, instigação de ódio religioso, mentiras palacianas, perseguição aos dissidentes e voto de cabresto para manter a oligarquia pseudocarismática.

Alguns dissidentes estão cercados com demandas judiciais. Colhendo os fatos facilmente constatamos a anterior discriminação que prenunciava a perseguição religiosa. Então, no início de 2013 a liderança deu início à fábrica de demandas judiciais inconsequentes. Insatisfeito, o dono da Igreja comandou o ingresso de 4 (quatro) demandas judiciais no Fórum de São Paulo (a ICM já sofreu derrotas em 4 agravos).

Ao longo dessa oligarquia pseudocarismática Gedelti Gueiros exigiu incondicional obediência ao que ele fala. Ele ameaça com a profetada: Bichada! Bichada! Vai ser comido de bicho! E não se cansa de instigar o ódio religioso. Mordaça a moda do palácio da rainha desfigurada.

Aqui começa o apelo dos angustiados, pela justiça de Deus contra os malfeitores.

  “Podia, acaso, associar-se contigo o trono de iniquidade, que forja o mal tendo por pretexto uma lei? Acorrem em tropel contra a vida do justo e condenam o sangue inocente.”

Atos de agressão psicológica e hipocrisia palaciana correm como fogo em palha seca pela boca dos falsos profetas. Campos de ódio e preconceito religioso. Envolvidos em tanta ENGANAÇÃO, não mais conseguem achar o caminho de volta ao EVANGELHO DE DEUS. Inventam meias verdades para justificarem os erros e repetem-nas para não mais esquecerem as mentiras nos cultos proféticos, nos púlpitos e nos seminários.

Campo de fraudes e de lucros entre donos de balcões de negócios e parceiros. Com ameaças de morte, intimidação de testemunhas e obstrução da Justiça. Conheça a Maranata… por dentro.

Como esta liderança pode pregar contra contrabando, duplicatas simuladas, estelionatos, evasão de divisas, fraudes e outros crimes se ela corrompeu-se? Desvio de ofertas voluntárias para os bolsos de sete pastores. Em nome de o sinhô revelô convocam os membros para seminários: exigem pagamento antecipado, marcam e desmarcam datas criando o estorvo e reafirmam: parcelas pagas não serão devolvidas caso haja desistência. Não devolvem as parcelas! Oh! Os membros são devedores da Obra, o restolho da sociedade religiosa.

Encheram os bolsos de dinheiro da Instituição, fabricaram notas fiscais sem lastros, iludiram o mais que puderam, ingressaram com demandas judiciais inconsequentes, perseguiram os dissidentes e retirantes, pisaram nos pobres e necessitados, produziram males sem conta e se dizem inocentes enquanto engrossam os bolsos de advogados com fartos honorários.

Está deflagrada a instabilidade na oligarquia! O clamor continua notório e público. O desmonte é a consequência. O palácio da rainha desfigurada impôs estratégia duvidosa e a expectativa de juízo é real.

Existe Ética no Novo Testamento; mas o gedeltismo a despreza e construiu a sua ética: a mesma de Judas Iscariotes. Por conseguinte, cabe a pergunta: Judas, cadê o dinheiro?

Existe Lei neste País: mas o dono da Igreja a ignora e impõe o medo opressor. Na base de o sinhô revelô, impera o jugo no centro das decisões: aqui manda quem pode e obedece quem tem juízo.

Feridas religiosas são terríveis. Gente machucada juntando os cacos. Imposição do ódio religioso. Não é novidade: as estradas estão cheias de retirantes…

Litigar judicialmente contra crentes que denunciam erros da liderança e questionam a negativa de transparência, é exibição de ditadura eclesiástica, e de maquiavelices e de maranatramas, e de orgulho e de preconceito religioso.

“Quanto a Gedelti, sua participação é clarividente, uma vez que em no mínimo 90% (noventa por cento) dos muitos depoimentos apontam que toda e qualquer decisão tomada na Igreja ou por seus membros e líderes dependem exclusivamente da ordem e aval do Presidente.” (Decreto de Prisão, Vitória, 08/03/2013, às 23:55 horas. MARCELO MENEZES LOUREIRO – JUIZ DE DIREITO)

Na passagem do ano o dono da empresa e mestre-profeta insistiu, via satélite: nós NÃO perdoamos os nossos devedores. O medo psicológico é imposto para silenciar ideias e opiniões consideradas incômodas pelo establishment, proporcionando maior nível de proteção aos defensores da oligarquia.

Não existe cura!!!

Noção dos pesos de integridade, justiça, misericórdia, moral, transparência e verdade? No esquema da ideologia Obra como forma e vida não existe essa noção. O oposto, sim! O que permeia na mente dos ditadores religiosos não são os interesses nebulosos?

Nunca deveríamos deixar de considerar o estrago feito por esta ideologia draconiana e espúria por natureza; porquanto a pergunta que não quer calar permanece: porque deixei crescer dentro de mim o mal que destruiu milhares de vidas?

O conluio está formado e cada membro do Conselho Presbiteral declara obediência ao dominador do rebanho (que não serve de exemplo para os membros). Portanto, o Conselho Presbiteral, estabelecido em 10.12.2011 por voto de manobras palacianas, não se interessa em enfrentar os erros e, muito menos, em exigir devolução de bens expropriados por membros da oligarquia.

O mal não está no anseio dos crentes por condutas Éticas dos diáconos, obreiros e pastores da Instituição. O mal existe na doença endêmica. O que vemos são carcaças amontoadas no lixão da cidade, como na postagem de revelação.

O mal não está na Lei que enfrenta a apropriação indébita, a corrupção, a duplicata simulada, a formação de quadrilha, a evasão de divisas, a lavagem de dinheiro, o contrabando, o crime contra a ordem tributária, o estelionato; mas na oligarquia pseudocarismática e dissimulada através da hierarquia institucional.

O maranata deseja o ministério responsável e sadio; mas como haverá cura dessa esquizofrenia religiosa se os pastores obedecem à cartilha imposta pelo dono da Igreja?

O pacote oferecido nos seminários da Obra, com o artifício mistérios da Obra continua extremamente intoxicante, perigoso e sectário.

O tempo passa e a Instituição segue o rumo traçado pelo criador da ideologia Obra como forma de vida; porquanto o gedeltismo encurralou a Instituição em um beco sem saída.

Onde cada aniversário da Igreja aponta a queda do maranatismo opressor, homens honestos e mulheres sinceras refletem e rompem com o sistema.

Os fakes (emissários palacianos) que nos atacavam nas 24 horas do dia, em cada dia da semana, se esvaíram com os escândalos fartamente noticiados e denúncias do Ministério Público (começaram a compreender o atoleiro em que se meteram e romperam com o sectarismo). Entre esses, ocasionalmente alguns apareceram e pediram perdão; mas aqueles lobos destruidores de ovelhas disfarçados de pastores, especialmente os que se beneficiam com polpudos salários, amam o presente mundo, já receberam o seu galardão e não largam o osso.

Qual a palavra definitiva a ser dita pelo Justo Juiz a respeito da cumplicidade dos membros com o líder posicionado no vértice da pirâmide do crime em uma sofisticada organização criminosa?

Se o dono da Igreja a si mesmo desse tempo para entender a loucura do desmonte que patrocinou e repensar o óbvio, seria ótimo. O arrependimento não lhe interessa. O mal causado a esta geração de crentes não tem volta. Por estupidez religiosa.

Será que, antes que rompa o fio de prata, haverá tempo de dizer: “Pequei, traindo sangue inocente”?

Sombras e vitupérios!

NOTAS

Acompanhe em

https://www.facebook.com/CavaleiroVeloz

https://obramaranatarevelada.wordpress.com/

https://www.facebook.com/groups/maranatarevelada/?fref=ts

Aqui não é lugar para calúnias e difamações. Discutimos doutrinas e ideias.

Cite http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2017/07/da-cumplicidade-a-etica-de-judas/  caso faça cópia de parte e/ou todo

Compartilhe.

Em nome da ética democrática, que a data original e origem da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

Escrever em CAIXA ALTA (letras maiúsculas) é deselegante. Evitem.

Evitem postagens fora do FOCO do artigo.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Uma Resposta para “Da cumplicidade à ética de Judas”

  1. Cavaleiro Veloz disse:

    Como previsto:

    “E TAMBÉM houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.
    E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade.
    E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.”
    (2 Pedro 2.1-3 – ênfase nossa)

    Esta profecia encontra cumprimento, inclusive, na Maranata, entulhada de “anticristos”:

    apostasia específica e generalizada,
    avareza indiscriminada,
    balcões de negócios,
    caixa único no Presbitério,
    cartão sem limites de saques,

    compra de armas de fogo,
    coordenadorias corrompidas,
    cortinas de fumaça,
    crianças molestadas,
    crimes diversos já denunciados,

    demandas judiciais inconsequentes,
    destruição de provas,
    desvio de fortunas para o exterior,
    discriminação e preconceitos,
    elaboração de dossiês de inimigos da Obra,

    enganação premeditada,
    enriquecimento ilícito de membros da elite,
    espantalhos engravatados,
    espionagem contra dissidentes,
    estelionato religioso,

    fábricas de notas fiscais frias,
    falta de transparência,
    filhos enganados,
    fisiologismo político,
    fraudes contábeis,

    hierarquia opressora,
    homicídios (encobertos) em viagens,
    ideologia Obra como forma de vida,
    imposição do domínio religioso,
    instigação do ódio religioso,

    má formação doutrinária e ética dos membros do Presbitério,
    manobras de cartório de registro de títulos,
    mantras repetitivos,
    maranacutaias palacianas,
    membros do Conselho Presbiteral envolvidos em processos,

    mentiras entre os membros do Conselho Presbiteral,
    meias-solas-laranjas escondendo caixas dois,
    negócios nebulosos com seguros,
    organização criminosa a nível de quadrilhas,
    perseguição de dissidentes e retirantes,
    profetadas e revelagens,

    remendos em declaração de imposto de renda,
    repetição das mentiras para não esquecerem que mentiram,
    saques de dinheiro com cartão sem limites,
    terrorismo religioso,
    traição… e até

    venda de espaços em cemitério.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/03/nao-sou-fanatico/

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/04/nota-a-imprensa/

    Aos membros do Conselho Presbiteral, incluindo mestres, pastores e especialmente o Presidente da Instituição: caso alguém queira contestar o espaço está disponibilizado.

    Como tenho dito continuar no ninho é carregar a Obra… e tem gente que gosta.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/11/a-falsa-uncao-gera-morte/

    E ainda não vimos o final das coisas.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2015/05/o-momento-e-agora/comment-page-1/#comment-19883

    Se à Luz das Escrituras Sagradas devidamente interpretadas e dos fatos notórios e públicos me convencerem do contrário, publicarei e me retratarei publicamente.

    “Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus; o que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai como o Filho.” (2 Jo. 1.9 – RA-SBB)

    Maranata?! Tô fora…

    “O SENHOR é minha bandeira.”

    CV.

Deixe o seu comentário

Resolva a seguinte pergunta para envio * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.